BC determina pesquisa sobre os bens de Bin Laden

O Banco Central emitiu ofício em que determina a todas as instituições financeiras integrantes do sistema financeiro nacional que pesquisem em seus arquivos informações relacionadas ao milionário saudita Osama bin Laden e sua rede terrrorista Al-Qaeda, além de outros grupos suspeitos de envolvimentos em atos de terror. As instituições têm dez dias úteis para enviar os resultados, via correio eletrônico, para o Banco Central. A autoridade monetária brasileira colabora com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que assinou hoje ordem que congela as contas bancárias de 27 grupos ou pessoas consideradas terroristas. Ao mesmo tempo, os bancos brasileiros passaram a informar a partir de hoje em tela própria (transação PCAF500) no Sistema do Banco Central (Sisbacen) detalhes sobre operações "em que as partes envolvidas, valores, formas de realização e instrumentos utilizados, ou que, pela falta de fundamento econômico ou legal", possam indicar a existência de crime de lavagem de dinheiro e terrorismo. O Banco Central enfatizou também o cumprimento do Decreto nº 3.755, de 19 de fevereiro de 2001. O decreto, assinado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo ministro Celso Lafer, já determinava o bloqueio "de todos os fundos e demais recursos financeiros em nome de Osama bin Laden e de pessoas e empresas a ele associadas, incluindo fundos produzidos ou gerados por bens de sua propriedade, ou que estejam sob seu controle direto ou indireto, assim como sob o controle de pessoas e empresas a ele associadas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.