Tolga Akmen/AFP
Tolga Akmen/AFP

‘Bebê Trump’ sobrevoa Londres durante visita de presidente americano

Balão de seis metros de comprimento foi colocado para voar a 30 metros de altura perto do Parlamento britânico; Trump diz que manifestações o fazem se sentir ‘mal recebido’

O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 06h16

LONDRES - Manifestantes contrários à visita do presidente dos EUA, Donald Trump, ao Reino Unido colocaram o “bebê Trump” para voar na manhã desta sexta-feira, 13.

+ The Economist: As idas e vindas dos Estados Unidos

+ Trump avalia que plano de May para Brexit pode 'matar' acordo com EUA

O balão gigante que representa o líder americano foi colocado em frente ao Parlamento britânico e deve flutuar por duas horas.

+ Trump critica plano de May para Brexit e chega a Londres sob protestos

+ Trump e Melania são recebidos por May com baile de gala no Reino Unido

Trump, que chegou ao Reino Unido na quinta-feira, disse em entrevista ao jornal The Sun que os protestos planejados contra ele em Londres o fazem se sentir incomodado. Desta forma, ele pretende evitar ao máximo uma passagem pela capital britânica.

“Acho que quando eles soltam balões para me incomodar, não há razão para eu ir a Londres”, afirmou o republicano. “Eu costumava amar Londres como cidade. Faz tempo que não passo por lá. Mas quando te fazem se sentir mal recebido, por que eu ficaria?”, questionou.

Na quinta-feira, 5, o prefeito de Londres, Sadiq Khan, deu permissão ao protesto com o “bebê Trump”. O balão tem seis metros de comprimento e foi colocado a 30 metros de altura perto do Parlamento nesta manhã.

"O prefeito apoia o direito a protestar pacificamente e entende que se pode fazer isso de diferentes formas", disse o porta-voz de Khan.

Leo Murray, do coletivo "artistas ativistas", que está por trás do protesto, afirmou que ele contou com o apoio de mais de 10 mil pessoas, o que convenceu o prefeito.

Na entrevista ao The Sun, Trump disse ainda que o plano da primeira-ministra britânica, Theresa May, para o Brexit "provavelmente pode matar" a possibilidade de um acordo de livre-comércio com os EUA.

"Se aprovarem um acordo como esse, estaríamos tratando com a União Europeia no lugar de com o Reino Unido, e isso provavelmente pode matar o acordo", afirmou o presidente americano. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.