Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
David TALUKDAR / AFP
David TALUKDAR / AFP

Bebida alcoólica adulterada deixa mortos e feridos na Índia

Esta não é a primeira vez que algo do tipo acontece; em 2011, 172 pessoas morreram por consumirem bebidas que não fossem de marca

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2019 | 05h19

Pelo menos 84 pessoas morreram por terem consumido bebida alcoólica falsificada tóxica no nordeste do estado de Assam, na Índia. Outras 200 foram hospitalizadas, de acordo com um ministro do governo. As mortes acontecem menos de duas semanas depois de 100 pessoas terem morrido ao beber álcool contaminado, no norte da Índia. 

"A cada dez minutos nós estamos recebendo relatórios de pessoas que morreram em diversos locais. Até agora, 200 pessoas estão no hospital, muitos deles em estado crítico", afirmou o ministro da Saúde de Assam, Himanta Biswa Sarma, para a Reuters, por meio de telefone. "Médicos de distritos da região e de faculdades de medicina foram apressados para lidar com a crise", disse Sarma, depois de visitar pacientes em Jorhat, localizada a 300 quilômetros ao leste do centro financeiro do estado, Guwahati. 

Mortes provenientes de álcool produzido ilegalmente, conhecido localmente como 'hooch' ou 'country liquor', são comuns na Índia, onde muitos não têm dinheiro para comprar bebidas de marcas conhecidas. As mortes destes dois incidentes recentes, entretanto, são os mais fatais desde 2011, em que 172 pessoas morreram pelos mesmos motivos. 

O médico do hospital governamental em Golaghat, localizado a 40 quilômetros ao sudoeste de Jorhat, Dilip Rajbnonshi, disse que as mortes foram causadas por "licor espúrio".

Há mulheres entre as mortes. Elas trabalhavam em plantações de chá e haviam acabado de receber seus pagamentos semanais, afirmou outra fonte do governo. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.