Beira-Mar estaria com guerrilheiros colombianos

O ministro colombiano da Defesa, Luis Fernando Ramirez, conformou hoje que traficante brasileiro Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foi ferido numa das maiores operações antidrogas realizadas pelo Exército da Colômbia. "A informação que temos é a de que Fernandinho efetivamente foi ferido durante uma troca de tiros. É possível que ele esteja dentro de um grupo das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)", disse.Desde meados de fevereiro, soldados do Exército participam da "Operação Gato Preto", cujo objetivo é tomar o controle daquele que classificam como "o principal centro de acúmulo de drogas e armas" das Farc. A operação militar está sendo realizada no departamento fronteiriço de Guainía, no sudeste do país, por onde o Exército garante que as Farc trocariam cocaína por armas. Fernandinho Beira-Mar seria um intermediários dessas transações. "O que sabemos é que possivelmente Fernandinho está ferido, sitiado e cercado", disse o porta-voz da Embaixada do Brasil na Colômbia, José Santos. Ele negou o rumor de que as Farc teriam entrado em contato com a representação diplomática brasileira para informar sobre a saúde do traficante. "Nós nos comunicamos apenas com o governo colombiano", garantiu.Durante a Operação Gato Preto, o Exército colombiano anunciou em 18 de fevereiro a captura de 22 pessoas, entre as quais se encontrava Jacqueline Alcântara, mulher de Fernandinho Beira-Mar. No entanto, hoje foi revelado que, após a detenção, ela foi libertada. As explicações sobre a libertação ainda não são claras. "A esposa de Fernandinho foi entregue à promotoria, que não encontrou mérito suficiente ou não recebeu ordem de captura do Brasil", explicou o ministro da Defesa da Colômbia. A mulher, que teria ordem de captura por tráfico de armas, já teria deixado a Colômbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.