Bélgica detém neonazistas que planejavam atentados

A polícia belga prendeu 17 supostos neonazistas, na maioria membros das Forças Armadas, chefiados por um militar que integra um grupo flamengo de extrema-direita. Os suspeitos estariam planejando atentados para desestabilizar o país. A polícia federal informa, em comunicado, que os detidos são conhecidos por "sua ideologia ultradireitista, que no caso de alguns deles toma forma de idéias extremistas sobre racismo, xenofobia, negação do Holocausto, anti-semitismo e neonazismo".Durante batidas realizadas em 18 residências e cinco quartéis, foram apreendidos armas, detonadores, munição, coletes à prova de balas, máscaras de gás, literatura extremista, símbolos nazistas, maconha, explosivos e anabolizantes. Em uma das casas foi encontrada uma bomba com detonador, já acondicionada numa mochila. O explosivo seria suficiente para destruir um carro, de acordo com a nota das autoridades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.