Bélgica se nega a julgar Sharon por crimes de guerra

O Supremo Tribunal da Bélgica repudiou o pedido feito por um grupo de palestinos para que o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, fosse julgado por crimes de guerra. A decisão do tribunal belga confirma a de uma instância menor, que se recusou a julgar o caso por razões técnicas.O Supremo Tribunal estabeleceu que Sharon não pode ser julgado na Bélgica porque não vive neste país e porque, como chefe de Estado, goza de imunidade diplomática.Sharon é acusado pelos palestinos por massacres ocorridos no Líbano em 1982, perpetrados por milícias cristãs aliadas a Israel. À época, Sharon ocupava o cargo de ministro da Defesa de Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.