Belize: Empreiteira destrói pirâmide maia

Uma empreiteira praticamente destruiu uma das maiores pirâmides maias de Belize ao usar retroescavadeiras e outros veículos pesados para extrair pedras destinadas a um projeto de construção de estradas.

AE, Agência Estado

13 de maio de 2013 | 17h42

A destruição da pirâmide Nohmul e da plataforma de seu templo, erigidas há cerca de 2.300 anos, foi verificada na semana passada, informou nesta segunda-feira o doutor Jaime Awe, diretor do Instituto de Arqueologia de Belize. Segundo ele, somente uma pequena porção do centro da pirâmide resistiu.

O complexo de Nohmul situa-se atualmente em terreno particular, mas as leis de Belize garantem proteção do Estado a qualquer vestígio arqueológico pré-hispânico. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Belizepirâmidedestruída

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.