Benghazi quer retorno a federalismo pré-Kadafi

Movimento autonomista do leste da líbia tem raízes históricas, geográficas e religiosas e esperou estabilização do país para retomar projeto político

LOURIVAL SANTANNA , O Estado de S.Paulo

08 de março de 2012 | 03h02

Na Líbia de Muamar Kadafi, não havia prefeitos ou governadores. As decisões nas cidades eram tomadas por representantes do coronel, em geral sem cargos definidos. Eram espécies de "enviados", que contavam com a confiança do líder e muitas vezes nem pertenciam ao lugar. Benghazi, como a cidade mais importante da costa leste, com reputação de "oposicionista", sentia-se especialmente castigada. Agora, retoma sua luta pelo federalismo anterior a Kadafi.

Quando alguém perguntava por que determinada rua não estava asfaltada, ou qualquer outro aspecto da vida cotidiana das cidades, a resposta começava com: "Porque Kadafi..." Era como se o ditador estivesse em todos os lugares, decidindo as coisas mais triviais.

O símbolo maior disso foi Hoda bin Amr, supervisora da aplicação do orçamento por todos os ministérios na região de Benghazi. Hoda ganhou a confiança de Kadafi durante o enforcamento de estudantes que tinham participado de um protesto contra o regime, na década de 80.

Um dos condenados continuava se contorcendo, pendurado pelo pescoço. Hoda o agarrou pela cintura e puxou para baixo, para terminar de matá-lo. A partir daí, passou a ter cargos importantes no governo. Sua casa no bairro elegante de Tapalino foi incendiada durante o levante em Benghazi, em fevereiro do ano passado.

Benghazi coleciona terríveis histórias de punição coletiva, como a vez em que seu esgoto foi propositalmente lançado sobre o seu belo lago ou quando 400 bebês foram infectados pelo vírus da aids.

A infraestrutura, os serviços públicos e os salários eram bem melhores em Trípoli (1,7 milhão de habitantes) que em Benghazi (1 milhão), cujos moradores se sentiam cidadãos de segunda classe. "Trabalhei uma época em Trípoli e constatei o que todos dizem", disse ao Estado o contador Sohaib Bogerma, de 27 anos, empregado numa firma escocesa. "Pela mesma função pagam-se 200 dinares (US$ 160) aqui e 1.200 dinares (US$ 960) lá."

O leste todo se ressentia do tratamento desigual e considerava que seu petróleo, suas refinarias e seus portos sustentavam a economia do país, enquanto os benefícios eram drenados para o oeste. Antes de Kadafi assumir o poder, em 1969, a Líbia era uma federação, com ampla autonomia regional. Os nomes das duas regiões costeiras - Cirenaica e Tripolitânia - remontam à antiguidade.

Federalismo. Considerando-se tudo isso, é surpreendente que só agora, um ano depois do levante no leste, a região dê vazão ao seu desejo de autonomia. Se isso não aconteceu antes foi pelo zelo dos habitantes do leste pela preservação da unidade dos líbios, primeiro no esforço para derrubar Kadafi e depois para consolidar a transição.

Proveniente de uma tribo inexpressiva, Al-Gaddafa, Kadafi procurou aplastar as lealdades tribais, com uma ideologia nacionalista que mal encobria suas próprias alianças com as principais tribos, a começar pela maior delas, Warfallah, com base no oeste. Em contraste, a revolução foi lançada no leste.

Além dos aspectos geográficos, econômicos e tribais, há ainda um forte componente político-religioso: o leste é marcadamente conservador, reduto do fundamentalismo islâmico na Líbia. Foi do porto de Derna, no leste, por exemplo, que partiram os mujaheddin líbios para a jihad no Afeganistão, nos anos 80.

O rei Idris Senussi, deposto por Kadafi, cujo parente, Ahmed Zubair, assumiu ontem a presidência do Conselho Interino de Cirenaica, nasceu em Jaghbub, no sudeste líbio, onde seu avô fundara uma seita islâmica, e assentou sua casa real em Tobruk, no extremo leste do país.

O fantasma do separatismo era usado pela propaganda do regime durante a guerra civil, quando o leste era ocupado pelos rebeldes e o oeste continuava sob controle kadafista. Em resposta, cartazes espalhados por Benghazi postulavam: "Líbia, um clã. Trípoli, nossa capital".

Consolidada a revolução, enquanto vai se conformando o futuro Estado líbio, os habitantes do leste buscam agora assegurar a restauração do federalismo e, com ele, de sua autonomia. Não é necessário que esse movimento resulte na separação do leste.

Não é esse o desejo da imensa maioria de seus habitantes. A menos que o governo central e o oeste reajam de forma drástica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.