Bento XVI pede que João Paulo II seja santificado logo

Bento XVI visitou, neste sábado, Wadowice, a cidade natal de Karol Wojtyla, e ressaltou a firmeza da fé de João Paulo II ao rezar para que o primeiro papa polonês da história "seja em breve elevado à glória dos altares"."Venho com grande emoção ao lugar onde nasceu meu grande antecessor, onde passou sua infância e sua adolescência", disse Joseph Ratzinger em polonês, diante de dezenas de milhares de pessoas.Bento XVI foi recebido com cantos e palmas pelos moradores de Wadowice. Esta foi a primeira visita do papa alemão ao povoado de 20 mil habitantes transformado em local de peregrinação para católicos de todo o mundo.O Pontífice acrescentou que quis rezar "junto a todos para que (João Paulo II) seja, em breve, elevado à glória dos altares". O pedido é repetido por milhares de católicos poloneses no dia 2 de cada mês em memória da data em que o Santo Padre morreu, 2 de abril do 2005. Eles se reúnem diante do arcebispado da Cracóvia para rezar por sua rápida santificação.A referência à beatificação de João Paulo II é a segunda feita por Bento XVI em poucas horas. Ele também falou nisso ontem à noite aos milhares de jovens reunidos no arcebispado da Cracóvia.O processo de santificação foi aberto em 28 de junho de 2005 em Roma e não respeitou o prazo de cinco anos de morte do candidato, como estabelece o Código de Direito Canônico, por expresso desejo de Ratzinger.Espera-se que a decisão seja anunciada em breve, considerando-se os vários testemunhos que chegam ao Vicariato de Roma a respeito de supostos milagres operados por intercessão de João Paulo II. No entanto, o postulador da causa, o sacerdote polonês Slawomi Oder, refreou os ânimos lembrando que, durante seu pontificado, Wojtyla escreveu mais de 100 mil páginas entre discursos e documentos, cujo estudo leva tempo.Bento XVI visitou a basílica da Imaculada Conceição; a casa natal de João Paulo II, transformada em museu, e se reuniu na praça Rynek, no centro do povoado, com os milhares de poloneses que o ciceroneavam.Em discurso dedicado a Wojtyla, Bento XVI lembrou que o Papa morto no ano passado foi batizado com as águas da pia batismal de Wadowice e que essa água marcou sua vida. "Nela está a chave para compreender a coerência de sua fé, o radicalismo de sua vida cristã e o desejo da santidade que manifestou continuamente", afirmou Bento XVI, que incentivou os poloneses a manterem a fé sólida.Acompanhado pelo cardeal da Cracóvia, Stanislaw Dziwisz, que foi o fiel secretário de João Paulo II durante 40 anos, Bento XVI assinou o livro de honra da catedral e viu dezenas de fotografias de Wojtyla na infância e juventude expostas no museu em sua homenagem.Antes de se despedir, pediu aos poloneses que rezem por ele da mesma maneira que faziam por seu antecessor.Após Wadowice, Bento XVII visitou o santuário de Kalwaria Zebrzydowska, muito querido por João Paulo II já que ali foi entregue à Igreja por seu pai. Ele lembrou que João Paulo II, na primeira vez que o visitou como Papa, em 1979, pediu que rezassem por ele enquanto estava vivo e depois de morto. "Venho, com gratidão, rezar por ele, como pediu e, assim como ele, também peço que rezeis por mim e por toda a Igreja", afirmou. O santuário de Kalwaria é dedicado à Paixão de Cristo e engloba muitas capelas situadas a seu redor, que simulam a Via-Sacra.De Kalwaria, Bento XVI voltará à Cracóvia, onde visitará o santuário da Divina Misericórdia e a catedral de Wawel e se reunirá, no fim da tarde deste sábado, em uma vigília com jovens poloneses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.