Markus Schreiber/AP Photo
Markus Schreiber/AP Photo

Berlim vai indenizar judeus transferidos quando crianças para GB

Os judeus que eram crianças na ocasião "tiveram que deixar suas famílias em tempos de paz e, em muitos casos, nunca mais as viram", ressaltou um porta-voz do ministério das Finanças

O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2018 | 17h02

A Alemanha pagará uma indenização de 2.500 euros aos judeus que foram enviados para a Grã-Bretanha durante sua infância na véspera ou no início da 2ª Guerra, anunciou nesta segunda-feira, 17,  o ministério das Finanças.

Os judeus que eram crianças na ocasião "tiveram que deixar suas famílias em tempos de paz e, em muitos casos, nunca mais as viram", ressaltou um porta-voz do ministério. Nenhuma indicação foi dada quanto ao número de beneficiários desta medida.

A Jewish Claim Conference (JCC), que trabalha em todo o mundo desde 1951 para obter e administrar indenizações aos judeus vítimas do Holocausto, será responsável pelo pagamento do dinheiro.

Na época do nazismo, foi a organização judaica britânica World Jewish Relief que organizou a logística do "Kindertransporte", uma vasta operação de resgate montada no dia anterior e no início da 2ª Guerra Mundial.

O primeiro "Kindertransport" de barco chegou em 2 de dezembro de 1938 no Reino Unido, com 196 crianças resgatadas de um orfanato judeu em Berlim que havia sido incendiado durante a Noite dos Cristais em 9 de novembro.

Em 18 meses, 10.000 crianças da Alemanha, Áustria, Tchecoslováquia e Polônia foram resgatadas. As mais jovens foram colocadas em lares adotivos. Os adolescentes com mais de 16 anos foram ajudados a encontrar treinamento ou trabalho. 

"Ninguém pode imaginar a dor sentida nas plataformas da estação quando o transporte de crianças começou e o que os pais tiveram que fazer para salvar a vida de seus filhos, uma vida que essas crianças tiveram que viver sem uma mãe, sem um pai e em muitos casos sem entes queridos", ressaltou Greg Schneider, vice-presidente executivo da JCC, em um comunicado.

A maioria dos pais foi posteriormente assassinada pelos nazistas, recorda a JCC, que também insiste no tormento psicológico dessas crianças que muitas vezes pensaram que foram abandonadas, "um peso que acompanhou muitos deles ao longo de suas vidas", de acordo com Rüdiger Mahlo, representante do JCC na Alemanha.

A Alemanha paga cerca de um bilhão de euros por ano a sobreviventes das atrocidades nazistas, lembrou o ministério da Fazenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.