AFP PHOTO /Alberto PIZZOLI
AFP PHOTO /Alberto PIZZOLI

‘Berlusconi acabou’, afirma cientista político italiano

Professor da Universidade Luiss Guido Carli, de Roma, Leonardo Morlino diz que a Itália vive um terremoto político marcado pelo crescimento de partidos populistas ou de extrema direita

O Estado de S.Paulo

05 de março de 2018 | 20h48

Professor da Universidade Luiss Guido Carli, de Roma, Leonardo Morlino diz que a Itália vive um terremoto político marcado pelo crescimento de partidos populistas ou de extrema direita. Segundo Morlino, as eleições do fim de semana marcaram o fim do ex-premiê Silvio Berlusconi. A seguir, trechos da entrevista concedida ao Estado. 

+ Dois populistas contrários à imigração disputam direito de governar Itália

Quem será o premiê da Itália?

Há muita incerteza. Os dois partidos que venceram foram o M5S e a Liga, com sua coalizão de partidos de direita. O governo terá de começar com um ou outro. É provável que o presidente Sergio Mattarella comece por Luigi di Maio (M5S), para ver se ele é capaz de obter apoio de outro partido.

Qual o papel de Berlusconi? 

Berlusconi acabou. Ele teve 14% da Câmara dos Deputados. Na hipótese um governo da Liga, de Matteo Salvini, com apoio de partidos centristas, talvez Berlusconi tenha algum peso. Mas Salvini seria o premiê, porque há um acordo entre Liga e Força Itália de que o cargo ficaria com quem chegasse à frente. 

Há risco de a Itália sair da UE?

Os italianos são favoráveis à Europa. Ninguém pensa em uma Itália fora da UE. Não há no país partidos ou líderes fortes que sejam contra a Europa. 

Por que os partidos tradicionais tiveram desempenho ruim?

O mais surpreendente foi o fracasso do PD. Como em outras partes do mundo, a democracia italiana passa por três processos: radicalização ativa, passiva ou alienação. A radicalização mais forte na Itália foi a ativa, com os partidos populistas e de extrema direita como os mais votados. Os eleitores moderados são os 14% de Berlusconi e os 18% do PD. Juntos são pouco mais de 30%. A radicalização na Itália é forte e esse é o problema da democracia contemporânea: como governar em meio à radicalização? 

Como?

A radicalização também existe na Alemanha e na França, mas as regras tornam possível governar em uma democracia radicalizada. Na Itália, essas regras não existem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.