Stefano Rellandini/Reuters
Stefano Rellandini/Reuters

Berlusconi admite que resultado dos referendos não pode ser ignorado

Segundo Ministério do Interior, cerca de 57% dos italianos participaram dos referendos

estadão.com.br,

13 de junho de 2011 | 14h31

ROMA - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, aceitou nesta segunda-feira, 13, os resultados dos quatro referendos realizados na Itália, e ressaltou que os mesmos "não podem ser ignorados".

 

Veja também:

link Referendos alcançam quórum na Itália, e sinalizam novo revés para Berlusconi

 

"A alta afluência nos referendos demonstra uma vontade de participação dos cidadãos nas decisões sobre nosso futuro que não podem ser ignoradas" disse Berlusconi por meio de nota oficial.

 

O chefe do Executivo acrescentou que a vontade dos italianos nos temas consultados é "clara", e que o governo e o parlamento terão que "aceitar plenamente" o resultado das consultas.

 

O primeiro-ministro destacou que "inclusive aqueles que consideram que o referendo não é o instrumento mais idôneo para debater questões complexas, veem claramente que a vontade dos italianos é clara sobre todos os temas submetidos a consulta."

 

Segundo o Ministério do Interior, 57% dos italianos participaram das consultas e se pronunciaram contra a energia nuclear e pela eliminação de uma lei que confere a Berlusconi e a outras autoridades proteção contra processos judiciais. As outras duas consultas populares se referiam a gestão da água.

 

As sondagens de boca de urna e os primeiros dados do escritório oficial indicam que cerca de 95% dos italianos que compareceram às urnas se pronunciaram contra a volta da produção de energia nuclear e a favor de derrogar a lei que permitia ao primeiro-ministro não assistir aos julgamentos que têm pendente.

 

Poucas horas antes do término da votação e considerando os dados de participação no sábado, Berlusconi, favorável a volta de produção de energia nuclear, já havia dado por perdida a consulta.

 

"A Itália provavelmente, como consequência de uma decisão que o povo italiano está tomando nessas horas, deve dizer adeus a questão da energia nuclear e, portanto, teremos que nos comprometer fortemente com o setor de energias renováveis", disse Berlusconi. Com Efe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.