Berlusconi afirma que não desiste de reformas

O primeiro-ministro conservador italiano, Silvio Berlusconi, reafirmou, nesta quarta-feira, seu desejo de retomar o diálogo com os sindicatos que, nesta terça-feira, promoveram uma greve geral contra as reformas trabalhistas pretendidas pelo governo."Temos de voltar à mesa das negociações porque as coisas não podem ficar como estão", disse o primeiro-ministro. "Temos de realizar as reformas necessárias, aguardadas pela Europa e pelos nossos eleitores."Os sindicatos não reagiram ao chamado do governo. Isso porque Berlusconi, embora tenha proposto a reabertura das conversações, não está disposto a atender a principal reivindicação das lideranças sindicais: a manutenção do artigo 18 da lei trabalhista italiana, que garante readmissão ao empregado demitido sem justa causa.Berlusconi acha que esse dispositivo "sufoca" as empresas. Os sindicatos, ao contrário, definem o artigo como "pedra angular" da legislação trabalhista. "Vamos modificar esse artigo", insistiu o primeiro-ministro, que propõe a troca dele por indenização.Os membros do gabinete italiano procuraram reduzir a importância da greve que, segundo os sindicatos, teve a adesão de 13 milhões de trabalhadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.