Berlusconi deixa hospital após ter 'noite serena'

Premiê italiano é visto com curativo no nariz e deve ficar em repouso por duas semanas.

BBC Brasil, BBC

17 de dezembro de 2009 | 09h48

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, deixou nesta quinta-feira o hospital San Raffaele, em Milão, onde esteve internado desde que foi vítima de uma agressão que o deixou com o nariz e dois dentes fraturados.

O premiê saiu do hospital exibindo um curativo no nariz. Um porta-voz do premiê disse que ele tem tido muitas dores e dificuldades para comer, mas que teve uma noite mais "serena" na quarta-feira.

Berlusconi, de 73 anos, cancelou todos os seus compromissos e deve passar duas semanas de repouso em sua mansão em Arcore, na periferia de Milão.

O premiê foi atacado na cidade italiana depois de participar de um encontro com simpatizantes.

Um homem, que depois foi identificado como sendo Massimo Tartaglia, de 42 anos, atirou uma réplica em miniatura da catedral de Milão no rosto de Berlusconi

Tartaglia foi preso no local. Logo depois, foi divulgado que ele sofreria de problemas psicológicos.

Na quarta-feira, a polícia italiana prendeu ainda um homem que tentou invadir o quarto de Berlusconi no hospital.

Onda negativa

Os últimos meses têm sido difíceis para o polêmico premiê italiano.

Berlusconi foi acusado de contratar prostitutas, uma das razões que sua ex-mulher, Veronica Lario, alegou para pedir o divórcio dele, em maio. O líder italiano também é acusado de ter ligações com a máfia.

Recentemente, o horizonte se turvou para Berlusconi com a revogação de uma lei que lhe proporcionava imunidade. Com isso, diversos processos criminais contra ele foram retomados.

Há apenas uma semana, dezenas de milhares de pessoas participaram de uma manifestação contra Berlusconi em Roma.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.