Berlusconi diz ao Vaticano que segue valores cristãos

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, escreveu uma carta de Natal ao papa Bento XVI afirmando que seu trabalho no governo do país é norteado pelos valores cristãos. A mensagem sucede o perdão público de Berlusconi a um homem que recentemente o agrediu, quebrando o nariz e dois dentes do político italiano.

AE-AP, Agencia Estado

24 de dezembro de 2009 | 16h50

Segundo analistas, a agressão ao primeiro-ministro e as imagens dele aturdido pelo ataque geraram uma onda de simpatia na Itália em relação a Berlusconi, silenciando temporariamente as críticas ao governo. Com a carta ao Vaticano, ele tenta capitalizar esta simpatia e também se aproximar da Igreja Católica, acrescentaram.

De acordo com a carta de Berlusconi, o Natal "é um momento importante de reflexão" para todos. "Posso confirmar que os valores cristãos pronunciados pelo pontífice estão sempre presentes nas ações do meu governo, que adotará todas as medidas necessárias para garantir a paz e a serenidade na sociedade".

As forças conservadoras de Berlusconi possuem uma maioria sólida no parlamento italiano, mas seu suposto envolvimento com uma prostituta afetou as relações do primeiro-ministro com a Igreja Católica no início deste ano. O vínculo com o Vaticano é importante do ponto de vista político na Itália porque a população do país é predominantemente católica.

As atitudes recentes de Berlusconi ocorrem também em meio a especulação de que será criado um novo partido de centro, composto por políticos próximos do Vaticano, para desafiar o partido do primeiro-ministro, o Povo da Liberdade.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaSilvio BerlusconiVaticanocarta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.