AP
AP

Berlusconi diz que prendê-lo incitaria revolução na Itália

Ex-premiê foi condenado a quatro anos de cadeia por fraude fiscal, mas deve prestar serviços

O Estado de S. Paulo,

12 de dezembro de 2013 | 13h26

ROMA - O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, que perdeu a imunidade parlamentar ao ter o mandato de senador cassado no mês passado, disse nesta quinta-feira,12, que vai haver uma revolução na Itália se ele for detido e mandado para a prisão.

O magnata da mídia, de 77 anos, perdeu a vaga no Senado após ter sido condenado por fraude fiscal e sentenciado a quatro anos de prisão. A pena foi reduzida para um ano, e deve ser cumprida em forma de prestação de serviços comunitários.

Mas sem a proteção parlamentar, Berlusconi está vulnerável em outros casos na Justiça, incluindo uma acusação de suborno. Ele também está recorrendo contra uma condenação por abuso de poder e por ter pago por sexo com uma menor de idade em orgias em sua mansão na Sardenha, conhecidas popularmente como bunga-bunga.

Perguntado em entrevista à rádio francesa Europe 1 se temia ser preso, Berlusconi respondeu: "Não, tenho certeza que eles não podem, se não haverá uma revolução na Itália."

Após ter dominado a política italiana por duas décadas e de ter passado pela humilhação de ser expulso do Senado, Berlusconi tem deixado claro que usará todos os meios para desestabilizar o governo de coalizão do primeiro-ministro Enrico Letta.

Berlusconi tentou derrubar o governo antes de ser cassado, mas acabou causando uma divisão de seu próprio partido, que teve dissidentes declarando apoio a Letta para preservar a estabilidade política.

O premiê prometeu na quarta-feira evitar um "caos" na Itália, pouco antes de obter dois votos de confiança do Parlamento sem o apoio dos aliados de Berlusconi. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaSilvio Berlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.