Berlusconi diz que se sente obrigado a voltar à política

O ex-premiê da Itália Silvio Berlusconi, que renunciou ao cargo em novembro do ano passado, disse hoje que se sente obrigado a voltar a ter papel ativo na política depois que um tribunal de Milão o condenou a uma pena de prisão por fraude tributária na sexta-feira. Em entrevista a TG5, canal de TV administrado pela empresa do ex-premiê Mediaset, Berlusconi afirmou que a sentença o força a "permanecer na arena" para tentar reformar o sistema judiciário italiano.

AE, Agência Estado

27 de outubro de 2012 | 12h50

Esta semana, Berlusconi havia anunciado que se retiraria das disputas políticas italianas, pelo menos como uma figura de liderança, e anunciou que o seu partido de centro-direita Povo da Liberdade faria primárias para escolher um candidato para as eleições gerais que serão realizadas na próxima primavera no Hemisfério Norte.

Não ficou claro se Berlusconi pretende se candidatar para a liderança do partido ou concorrer ao parlamento. O ex-premiê dará uma entrevista coletiva perto de Milão ainda hoje.

Na sexta-feira, Berlusconi foi condenado a quatro anos de prisão por fraude tributária e teve os direitos políticos cassados por cinco anos. A sentença de quatro anos de prisão foi comutada para três anos de prisão devido a uma lei destinada a reduzir o número de presos nas casas de detenção do país. Ele foi considerado culpado de evasão fiscal no caso envolvendo a compra de direitos para transmitir filmes e programas de televisão norte-americanos na Itália em nome da Mediaset. O tribunal acatou o argumento da promotoria de que os direitos foram comprados por intermédio de empresas offshore por valores subfaturados. Berlusconi deve recorrer da condenação. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Berlusconicondenaçãopolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.