Berlusconi endurece política de imigração na Itália

O governo direitista do primeiro-ministro Silvio Berlusconi aprovou nesta sexta-feira um projeto de lei que endurece a política imigratória do país. Votado no Conselho de Ministros, o documento será agora submetido ao Parlamento.Diante da sede do governo, um barulhento grupo de imigrantes protestou contra o projeto de lei, elaborado pelo vice-primeiro-ministro Giangranco Fini, chefe da neofascista Aliança Nacional, e pelo líder da xenófoba Liga do Norte e ministro das Reformas Institucionais, Umberto Bossi."Racistas, racistas, racistas", gritavam em coro os manifestantes. "Somos 2,5% da população e produzimos 3,5% das riquezas da Itália..."Expulsão e prisão de ilegaisO texto torna efetivas as normas para expulsão, sem clemência, dos imigrantes considerados ilegais. Limita drasticamente as cláusulas que permitem a entrada no país de parentes do imigrante trabalhador. "Isso vai evitar abusos", justificou Fini, que criticou a lei anterior elaborada pelo então governo de centro-esquerda.Pela nova lei, o imigrante que tentar entrar três vezes no país por meios ilegais será detido. Poderá pegar pena de prisão de no mínimo quatro anos. "O documento é claro e demonstra que este país é sério", comentou Bossi, acrescentando que a nova lei modifica a anterior em "180 graus".Linguagem cruaPara Bossi, o capítulo mais importante da nova legislação é o que trata das expulsões. "Agora, serão reais. Levaremos (os ilegais) até à fronteira e despacharemos", ressaltou o líder da xenófoba Liga do Norte, conhecido por sua linguagem crua. "O povo não quer o imigrante, é a classe política e os empresários que desejam eles."Os partidos esquerdistas criticaram duramente o texto da nova lei. Eles acham que os imigrantes legalmente instalados no país também vão ser duramente afetados."Vão ser explorados pelo patronato", advertiu Alfonso Gianni do Partido da Refundação Comunista. "É uma forma nem mesmo moderna de impor o escravagismo e o colonialismo."Fini disse que as modificações introduzidas pelo projeto de lei são coerentes com as promessas feitas durante a campanha eleitoral. "São necessárias em conseqüências das lacunas existente na legislação adotada pelo governo anterior de centro-esquerda."InvasãoA Itália vem sofrendo nos últimos anos uma verdadeira invasão de imigrantes ilegais, que são trazidos dos países dos Bálcãs, principalmente Albânia e Kosovo (Iugoslávia), e do norte da África, por mafiosos albaneses, napolitanos e sicilianos que, aparentemente, agem em conjunto.Os imigrantes são transportados em embarcações precárias que, quando não naufragam, causando a morte de dezenas de pessoas, atingem o litoral italiano do Mar Adriático. Os que conseguem burlar as lanchas da Guarda Costeira italiana em geral são largados pelos traficantes na região do Porto de Brindisi.Sem garantiaUma passagem - sem nenhuma garantia de chegada ao destino prometido - pode custar até US$ 2 mil. Nem todos os ilegais que entram em território italiano permanecem no país.Os procedentes do norte africano geralmente dirigem-se dali para a Grã-Bretanha. Apesar da atual "invasão", a Itália é o país europeu que menos acolhe imigrantes. Existem no país apenas 1,5 milhão de estrangeiros com autorização permanente para viver no país.Berlusconi detém maioria no Parlamento e não terá dificuldades para transformar seu projeto em lei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.