AP
AP

Berlusconi enfrenta votação que pode bani-lo da política italiana

Ex-primeiro-ministro , que responde a processos na Justiça, é fiador de coalizão de Enrico Letta

O Estado de S. Paulo,

18 Setembro 2013 | 08h20

(Atualizada às 14h30) O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi enfrenta nesta quarta-feira, 18, a votação de um processo de impeachment que pode retirar seu mandato de senador e bani-lo da vida política por até três anos. O comitê de impeachment do Senado vai votar a proposta de banimento do ex-premiê, que venceu três das seis eleições na Itália nos últimos 20 anos.

Embora uma votação no plenário da Casa sobre uma lei que afasta criminosos da vida política ainda esteja longe, Berlusconi dispõe de pouco campo de manobra após ter sido condenado recentemente por supostas fraudes tributárias.

Berlusconi considerou a possibilidade de aceitar seu destino e até mesmo renunciar, pedir perdão ao presidente do país, e de retirar seu partido da coalizão governista, o que causaria uma nova crise política na Itália, segundo reportagens da imprensa baseadas em relatos de vários aliados e membros de família.

Mesmo que seja removido da arena pública, sujeito a escolher entre a prisão domiciliar ou prestar alguma forma de serviço comunitário, Berlusconi não vai perder sua base política. Beppe Grillo, cujo Movimento Cinco Estrelas emergiu como uma importante força política nas eleições gerais deste ano, não é e nem sequer pode se tornar parlamentar devido a uma acusação de homicídio ligada a um acidente de trânsito.

Em uma mensagem de vídeo, divulgada nesta quarta-feria, Berlusconi prometeu que permanecerá na política mesmo se for expulso do Senado. O ex-premiê também relançou seu partido de centro-direita sob o nome original "Força Itália", com o qual ele teve sucesso ao entrar na política em 1994. "Vou continuar com vocês", disse Berlusconi, explicando que é possível continuar ativo na política mesmo sem um assento no Parlamento.

O ex-premiê, que reiterou sua inocência no vídeo de 16 minutos, atacou o sistema judiciário italiano, que, segundo ele, é corrupto e politicamente motivado. Berlusconi pediu que todos os italianos apoiem o Força Itália em sua luta para mudar o país, oprimido pelos altos impostos e pelos excessivos gastos públicos.

Nesta semana a Justiça italiana também o condenou a pagar uma indenização de quase 500 milhões de euros (US$ 667,3 milhões) por suposta corrupção na tomada do controle da editora Mondadori, há duas décadas - e sinalizar suas intenções políticas.

É improvável que o ex-primeiro-ministro retire seu apoio ao governo liderado por Enrico Letta, que anteriormente foi o número 2 no Partido Democrático que se opõe ao Povo da Liberdade, de Berlusconi. A atitude o levaria a ser acusado de causar tumulto no mercado financeiro e, de qualquer forma, Berlusconi ficaria impedido de contestar eleições que viessem a ser convocadas, segundo Francesco Galietti, chefe do instituto de análise política Policy Sonar, com sede em Roma.

Agir "de forma responsável" pode aumentar a influência de Berlusconi em decisões sobre políticas do governo e também lhe dará vantagem para formar seu próprio sucessor político para um eventual retorno às urnas, comentou Galietti. / AP e DOW JONES

Mais conteúdo sobre:
Silvio BerlusconiItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.