Berlusconi: festas eram elegantes e não 'selvagens'

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, insistiu hoje que ele realizou apenas festas e noitadas elegantes e dignas nas suas mansões, e não orgias e "festas selvagens", como foi descrito por um telegrama de um diplomata norte-americano, baseado em Roma, que o website WikiLeaks vazou ontem. Berlusconi disse que não dá importância ao que "funcionários de terceiro e quarto escalões" escreveram sobre ele.

AE, Agência Estado

29 de novembro de 2010 | 19h47

Berlusconi foi acusado de contratar prostitutas e garotas menores de idade para suas festas - acusações que ajudaram a alimentar crises políticas e a levar o governo a um voto de confiança no Parlamento em duas semanas.

De acordo com um telegrama de um diplomata norte-americano, cujo conteúdo foi vazado pelo WikiLeaks e publicado pelo jornal The Guardian, as "frequentes noitadas e a inclinação de Berlusconi para festas significam que ele não descansa o suficiente". O premiê italiano foi descrito pelo diplomata como "incapaz, vaidoso e incompetente" como líder europeu. Berlusconi também foi definido como um "porta-voz de Putin" (do premiê russo, Vladimir Putin) na Europa Ocidental.

Hoje, em Tripoli, na Líbia, onde participa da cúpula euroafricana, Berlusconi disse que nunca frequentou uma "festa selvagem" e não sabe o que é. "Uma vez por mês eu faço um jantar na minha casa, onde tudo acontece de maneira correta e digna. Essas coisas que são ditas fazem mal ao nosso país", afirmou Berlusconi à agência Ansa.

"A comunidade internacional, aquela comunidade verdadeira que tenta melhorar o mundo, e não destruí-lo, como quer o WikiLeaks, deve reagir de maneira unida e sem retroceder na diplomacia", disse o chanceler da Itália, Franco Frattini, sobre o vazamento de informações feito pelo website. As informações são da Associated Press e da Agência Ansa.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliafestasEUABerlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.