Berlusconi nega ter pedido desculpas a Schröder

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, confirmou informações de sua assessoria ao afirmar que em sua ligação para o premier alemão, Gerhard Schröder, não pediu desculpas por ter comparado um deputado alemão a um guarda de campo de concentração nazista. "Eu não me desculpei. Apenas disse que lamentei o fato de que algumas pessoas interpretaram mal o meu comentário", declarou Berlusconi, durante uma entrevista coletiva ao lado do presidente da Comissão da União Européia, Romano Prodi, por ocasião do primeiro encontro da comissão sob a presidência rotativa da Itália na UE. Prodi é um ferrenho adversário político de Berlusconi e é apontado como sério candidato à chefia do governo italiano nas próximas eleições. Os novos comentários de Berlusconi foram feitos após o Parlamento Europeu ter bloqueado, ontem, as pressões para que o chefe do governo da Itália pedisse desculpas oficiais por ter afirmado que o deputado alemão Martin Schulz faria um bom papel como chefe de um campo de concentração nazista em um filme. A polêmica declaração de Berlusconi foi feita na cerimônia de inauguração da Itália como país que presidirá a UE nos próximos seis meses. A comparação infeliz acabou ofuscando a agenda do encontro da comissão nessa sexta-feira.

Agencia Estado,

04 Julho 2003 | 11h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.