Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Berlusconi oferece apoio a Prodi em importante votação

O ex-premier italiano e líder da oposição, Silvio Berlusconi, disse nesta quinta-feira, 1, que apoiará "o refinanciamento da missão militar no Afeganistão", um dos pontos cruciais que levaram à renúncia na semana passada do primeiro-ministro, Romano Prodi. Na última quarta-feira, 28, Prodi conquistou um voto de confiança no Senado, que exigiu a permanência do político no cargo. A meio usado foi o medo geral de que Berlusconi regressasse ao cargo após ter sido tirado do poder há nove meses."Nós votamos no refinanciamento porque queremos mostrar que somos um país sério e devemos dizer isso claramente a nossos aliados", disse Berlusconi.O governo de centro-esquerda liderado por Prodi, após a votação de confiança de sexta, 2, na Câmara dos Deputados, que liberará o prosseguimento da atividade legislativa, deverá enfrentar a aprovação do decreto que renova o financiamento dos 2 mil militares italianos no Afeganistão, em apoio à missão da Otan, até 2011.A coalizão esquerdista formada por nove partidos travou batalhas internas quase sem parar desde que subiu ao poder, em maio de 2006. Entre os pontos de desavença estão a presença de soldados da Itália no Afeganistão, a ampliação de uma base militar dos EUA na cidade de Vincenza, o corte nos gastos públicos e a concessão de direitos aos homossexuais. Entretanto, o fato de Prodi conquistar um voto de confiança no Senado não convenceram os italianos de que o dirigente continuará no cargo tempo suficiente para cumprir suas promessas de reforma. Apesar da promessa de seus aliados de observar uma trégua interna, problemas já começaram a ser projetados para a coalizão governista, e isso mesmo antes de as formalidades de confirmação de Prodi no cargo terem sido concluídas, na sexta-feira, 23, com uma votação na Câmara Baixa do Parlamento.Com BBCMatéria ampliada às 14h04 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.