Berlusconi pagará US$ 4 milhões ao mês a ex-mulher, diz imprensa italiana

Jornais afirmam que ex-primeiro-ministro assinou acordo de divórcio com Veronica Lario.

BBC Brasil, BBC

28 de dezembro de 2012 | 12h03

O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi vai pagar uma pensão de quase US$ 48 milhões (cerca de R$ 98 milhões) por ano como parte do acordo de divórcio com sua ex-mulher Veronica Lario, de acordo com informações da imprensa local.

Lario, a segunda mulher de Berlusconi e com quem ele tem três filhos, pediu o divórcio em 2009, depois que o político foi visto na festa de aniversário de uma aspirante a modelo de 18 anos que o chamava de "papi".

Segundo a imprensa italiana, o acordo de divórcio, assinado no dia 25, prevê que Berlusconi ficará com a villa onde o casal morava, mas pagará cerca de US$ 4 milhões ao mês a sua ex-mulher.

Em março, a revista Forbes estimou que Berlusconi - dono de um império midiático na Itália - tem uma fortuna de quase US$ 6 bilhões.

Acordo

Lario e Berlusconi se conheceram em 1980, em um camarim, depois que ele a viu atuando em um teatro em Milão. Eles se casaram em 1990.

O jornal Corriere della Sera afirma que Lario pediu inicialmente pensão anual de US$ 56 milhões no acordo de divórcio, mas o ex-primeiro-ministro teria oferecido cerca de US$ 5 milhões por ano.

Conhecido por escândalos financeiros e sexuais, Berlusconi, de 76 anos, namora atualmente uma jovem de 28 anos e se prepara para se candidatar mais uma vez ao posto de primeiro-ministro nas eleições de 2013.

Até renunciar ao cargo, em novembro de 2011, ele foi o primeiro-ministro que ficou por mais tempo no cargo na Itália no período do pós-guerra.

Ao mesmo tempo em que faz planos para uma nova campanha eleitoral, o político enfrenta batalhas judiciais. Em outubro de 2012, ele foi condenado a quatro anos de prisão por evasão fiscal, mas recorre da decisão. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.