Berlusconi pede apoio para se manter no governo

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, pediu hoje que seus ex-colegas de partido mantenham o apoio a seu governo de centro-direita. Mais tarde, Berlusconi deve ser submetido a um voto de confiança do Parlamento. "É indispensável para o futuro do país que os próximos três anos sejam usados para completar as reformas sociais e econômicas de que a Itália precisa", disse Berlusconi, aos legisladores.

AE, Agência Estado

29 de setembro de 2010 | 12h43

Um grupo ligado a Gianfranco Fini, que rompeu com o partido de Berlusconi Povo da Liberdade em julho, deve apoiar o primeiro-ministro nessa importante votação. O fim prematuro da coalizão antes das eleições do fim de 2011, porém, ainda é uma opção possível, por causa de divisões irreconciliáveis dentro do grupo.

Berlusconi pediu a Fini que "evite um período de instabilidade" ao retirar seu apoio ao governo. O premiê se referiu a pesquisas segundo as quais novas eleições podem resultar em uma vitória para a centro-direita na Câmara dos Deputados, mas não no Senado.

O premiê disse estar aberto ao diálogo para encontrar soluções para visões divergentes dentro da coalizão. Ele avaliou, porém, que o debate "ultrapassou os limites" em alguns momentos. Berlusconi tratou de um programa de cinco pontos no qual o voto de confiança será baseado, citando investimentos no sul do país, reforma no Judiciário, renúncia fiscal, reforma fiscal e a luta contra o crime organizado.

Antes da votação, o gabinete italiano aprovou hoje as novas previsões para a economia nacional em 2011, reduzindo a expectativa para 1,3% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), informou uma fonte. A estimativa anterior era de 1,5% de avanço. Em 2010, a previsão do PIB foi elevada para 1,2%, acima do 1,0% previsto anteriormente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
políticaItáliaSilvio Berlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.