Berlusconi promete retirar imigrantes da ilha de Lampedusa

População local, de 5 mil habitantes, quase quadruplicou desde queda do governo da Tunísia

Agência Estado

30 Março 2011 | 14h47

Refugiados aguardam barco na ilha de Lampedusa.

 

LAMPEDUSA - O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, prometeu nesta quarta-feira, 30, retirar milhares de imigrantes norte-africanos que lotaram a pequena ilha de Lampedusa, obtendo aplausos dos moradores locais, exasperados com a chegada dos barcos do norte da África. Um navio da Marinha italiana e outro comercial chegaram pela manhã a Lampedusa e pelo menos mais três embarcações eram esperadas para esta quarta. Elas deverão retirar os imigrantes e levá-los temporariamente para abrigos na Itália continental, disse Cosimo Nicastro, comandante da Guarda Costeira da Itália.

 

"A partir das próximas 48 horas a 60 horas, Lampedusa será habitada apenas por seus moradores", disse Berlusconi, que fez sua primeira visita à ilha, porção do território italiano mais distante do continente e mais próxima da costa norte-africana que da Sicília.

 

A ilha tem cinco mil habitantes, mas a população quase quadruplicou nas últimas semanas. Desde meados de janeiro, quando caiu o governo da Tunísia, Lampedusa recebeu mais de 18 mil imigrantes clandestinos vindos do norte da África, a maioria tunisianos, mas também líbios, egípcios, somalis, eritreus e etíopes. Muitos dos imigrantes dormem em tendas, aguardando o transporte para a Itália, uma vez que os centros de triagem e atendimento estão lotados.

 

Berlusconi disse que os cinco navios têm capacidade para transportar dez mil pessoas. O premiê afirmou que a Itália também fez um apelo ao governo interino da Tunísia para que patrulhe sua área costeira e receba de volta pelo menos alguns dos imigrantes. Muitos dos clandestinos já foram transferidos à Itália, mas cerca de seis mil ainda permanecem na ilha.

 

Berlusconi, abalado por vários escândalos e processos na Justiça, arrancou mais aplausos da população quando disse que comprou uma mansão em Lampedusa e que também inscreverá a ilha para receber o prêmio Nobel da Paz, por causa da paciência dos moradores ao receber os imigrantes.

 

A Itália pediu aos outros países da União Europeia (UE) que também recebam imigrantes e refugiados dos conflitos na Tunísia e na Líbia. "Quando existe um repentino e anormal fluxo de refugiados, a UE precisa adotar medidas para proteção temporária, que incluem a distribuição dessas pessoas", disse o chanceler italiano, Franco Frattini, em Londres, durante uma conferência sobre a situação na Líbia. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Itália Berlusconi imigrantes Lampedusa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.