Berlusconi quer isolar alunos estrangeiros

Estudantes tomam ruas de Roma em protesto contra plano do governo

Flavia Guerra, ROMA, O Estadao de S.Paulo

24 de outubro de 2008 | 00h00

As ruas da capital italiana foram tomadas ontem por mais de 20 mil estudantes inconformados com a reforma educacional proposta pelo presidente Silvio Berlusconi para "mudar a história da educação no país". Uma das medidas mais polêmicas do plano é a separação dos estudantes italianos e estrangeiros nas escolas. A reforma também prevê a demissão de 80 mil professores e a diminuição da carga horária."É praticamente um apartheid", afirmou Simone, de 14 anos, filha de brasileira. "O governo diz que os estrangeiros não entendem italiano, mas como vão aprender se estiverem separados?" Para grêmios estudantis, a reforma representa um retrocesso sem precedentes na educação do país.O Decreto de Lei Gelmini, de autoria da ministra da Educação, Maristella Gelmini, foi promulgado em setembro e aguarda a aprovação no Senado para passar a valer. Após uma semana de manifestações estudantis em todo país, Berlusconi e a ministra convocaram uma entrevista coletiva para "responder a todas as mentiras da esquerda". Segundo Gelmini, as medidas servem para cortar gastos exorbitantes do setor. O presidente também decretou a ocupação das escolas pela polícia. Outros pontos polêmicos da reforma são o aumento do número de alunos por sala - para 33 - e a adoção de um professor único em todos os níveis do ensino básico. "Um mesmo professor não vai saber ensinar matemática, artes, italiano, física e química", afirmou um aluno do Liceu Clássico de Roma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.