Berlusconi vence eleição que reduz Parlamento italiano a 5 partidos

Verdes e comunistas estão entre os 34 grupos políticos que perderam representação no Legislativo

Lourival Sant?Anna, O Estadao de S.Paulo

15 de abril de 2008 | 00h00

file://imagem/93/italia.jpg:1.93.12.2008-04-15.5 O bilionário Silvio Berlusconi, de 71 anos, duas vezes primeiro-ministro, obteve ontem um claro mandato para voltar a governar a Itália, imersa na estagnação econômica e na instabilidade política. A aliança de centro-direita O Povo da Liberdade (PDL) obteve 47,3% dos votos no Senado, enquanto a frente de centro-esquerda Partido Democrático (PD), do ex-prefeito de Roma Walter Veltroni, recebeu 38%. Já na Câmara dos Deputados, o PDL venceu o PD por 46,7% a 37,5%. O comparecimento, de 80%, ficou dentro do alto patamar histórico da Itália.Segundo projeções, o PDL conquistou 167 das 315 cadeiras no Senado. Já o PD ficou com 137 senadores. Na reta final da campanha, Berlusconi havia dito que precisava de uma maioria de 20 cadeiras no Senado para governar. O ex-primeiro-ministro Romano Prodi, do PD, renunciou em janeiro, depois de perder sua maioria de uma cadeira no Senado, por causa da retirada do apoio dos três senadores de um dos nove partidos que formavam sua coalizão.O resultado selou a polarização entre centro-direita e centro-esquerda. Os 39 partidos representados no Parlamento serão reduzidos a 5. Os maiores perdedores foram dois grupos que abandonaram as duas grandes alianças. A Esquerda Arco-Íris, que reúne comunistas e verdes, teve 3% dos votos para a Câmara. Em 2006, quando ambos eram aliados da centro-direita, somaram 7,9%. Os comunistas tinham 41 deputados e os verdes, 15. Agora, não serão mais representados no Parlamento, por não terem atingido a cláusula de barreira de 4%. "É a americanização do sistema político italiano", protestou o líder comunista Fausto Bertinotti, referindo-se ao bipartidarismo. A União de Centro, antes aliada à centro-direita, também viu seus votos reduzidos, na Câmara, de 6,7%, em 2006, para 5,6%. O deslocamento da centro-esquerda para o centro, a sua polarização com a centro-direita, a disputa renhida e o voto útil prejudicaram aqueles dois grupos."Estou comovido, sinto uma grande responsabilidade", disse Berlusconi, dono de um império de comunicação, à TV pública RAI. "Trabalharei com grande empenho nos próximos cinco anos, que serão decisivos para o desenvolvimento do país." Seguindo seu estilo pouco convencional, Berlusconi não fez discurso de vitória. Preferiu reunir seus auxiliares num jantar em sua "villa" na periferia de Milão. "Será difícil governar a Itália, com tantos problemas, mas governaremos cinco anos", assegurou Gianfranco Fini, líder da "pós-fascista" Aliança Nacional, parceira do partido Força Itália, de Berlusconi, no PDL. Vice de Berlusconi no governo de 2001 a 2006, ele deve assumir a presidência da Câmara.Depois de dois dias de votação, as urnas foram fechadas às 15 horas locais. Às 20 horas, Veltroni reconheceu a derrota e telefonou a Berlusconi, para desejar-lhe sorte. Sua candidatura foi prejudicada pela impopularidade de Prodi, que, pouco depois de assumir, em 2006, aprovou uma lei de combate à sonegação tributária, identificada pela população como aumento de impostos; e pela crise na coleta de lixo de Nápoles, cidade administrada pelo PD.A centro-esquerda teve vitória muito apertada no confronto anterior, em 2006. Obteve, para a Câmara, 19 milhões de votos, ou 49,80%. Garantiu 340 deputados graças a um "prêmio de maioria" previsto na lei. A centro-direita recebeu 18,98 milhões de votos, ou 49,74%, ficando com 277 cadeiras.Veltroni, de 52 anos, declarou que seu grupo fará uma "oposição responsável" e se dedicará, no Parlamento, às reformas institucional e eleitoral. "É um resultado importante, pois a distância de 22 pontos que tínhamos em setembro foi reduzida, numa grande ascensão da maior força reformista que este país já teve", disse Veltroni.Apuradas 363 das 1.309 urnas do exterior para o Senado, o PD vencia o PDL por 35,3% a 34,1%. Apuradas 347 das 1.309 urnas do exterior para a Câmara, o PD vencia por 35% a 32,8%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.