Bhutto apresenta programa eleitoral para eleições no Paquistão

Ex-premiê Nawaz Sharif anuncia boicote ao pleito parlementar que acontece em 8 de janeiro

Efe,

30 de novembro de 2007 | 14h07

A ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto apresentou nesta sexta-feira, 30, o seu programa eleitoral para as eleições legislativas de 8 de janeiro. O anúncio foi feito após a aliança opositora formada pelo ex-chefe de governo Nawaz Sharif afirmar que boicotará o pleito.   A líder do Partido Popular do Paquistão (PPP) disse em entrevista coletiva que decidiu não concorrer ao cargo de premiê depois de o presidente paquistanês, Pervez Musharraf, anunciar que suspenderá o Estado de exceção em 16 de dezembro.   "Participamos das eleições sob protesto, não lhes damos nenhuma legitimidade. Mas, se não participarmos, deixamos o terreno para outros", disse a ex-primeira-ministra. "Nossa política está baseada em cinco "E": emprego, educação, energia, meio ambiente ('environment') e igualdade ('equality')", disse Bhutto, ao apresentar seu programa eleitoral.   No entanto, a líder opositora se reservou a possibilidade de "rever" sua decisão de concorrer às eleições caso chegue a um acordo com Sharif e os outros partidos da oposição. "Mas tem que ser uma oposição conjunta", disse Bhutto.   A Liga Muçulmana do Paquistão Nawaz - partido de Sharif - faz parte da aliança opositora Movimento de Todos os Partidos Democráticos do Paquistão, que na noite de quinta decidiu em reunião boicotar as eleições legislativas.   A coalizão condicionou sua participação à restituição da cúpula do Tribunal Supremo, afastada por Musharraf após a declaração do Estado de exceção em 3 de novembro. Os presentes ao encontro, entre eles Sharif, pediram a Bhutto a se unir a eles no boicote eleitoral.   Musharraf assumiu na quinta-feira o seu mandato como presidente civil, um dia após renunciar à Chefia das Forças Armadas. Ele foi eleito para um segundo mandato de cinco anos nas eleições indiretas de 6 de outubro, mas a legitimidade de sua candidatura havia sido contestada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.