Bhutto: família e partido realizam os últimos ritos funerários

Bilawal, filho da ex-premiê assassinada, lerá o testamento político com instruções dela ao PPP

Efe

30 de dezembro de 2007 | 04h54

A família e a direção do partido de Benazir Bhutto celebram neste domingo os últimos ritos funerários pela líder opositora paquistanesa, que serão seguidos por uma reunião crucial na qual o Partido Popular do Paquistão (PPP) decidirá sua futura estratégia política. Os ritos funerários acontecem na cidade natal da família de Bhutto, em Naudero, na província sudeste de Sindh, onde o marido, os filhos e os companheiros políticos da opositora receberam nos últimos dias as condolências por seu falecimento. Em seguida, a direção do PPP realizará sua primeira reunião após o assassinato de Bhutto, em um atentado no último dia 27, em Rawalpindi (nordeste). Segundo Asif Ali Zardari, viúvo de Bhutto, seu filho Bilawal será o encarregado de ler o testamento político no qual a opositora deixou instruções ao partido em caso de sua morte. O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse neste sábado que o Governo está aguardando a futura estratégia do PPP para decidir se adia o pleito de janeiro. Fontes citadas neste domingo pela rede de televisão "Dawn" informam que o Governo pretende ligar para Zardari assim que os ritos funerários terminarem. Segundo estas fontes, o Executivo vai informar-lhe sobre a nomeação de um juiz do Supremo para supervisionar uma investigação judicial do atentado contra Bhutto, já que o PPP questionou neste sábado a versão oficial sobre a causa da morte da opositora e a autoria do ataque. Os Estados Unidos pediram neste sábado que Musharraf realize uma investigação exaustiva do atentado, e o Reino Unido lhe ofereceu a ajuda de seus especialistas, como é reivindicado pelo PPP. Enquanto isso, o país segue em tensão pelos distúrbios gerados pela morte de Bhutto, que deixaram 38 mortos e cerca de 50 feridos, segundo os últimos números oficiais. Na madrugada deste domingo foi registrado um atentado frustrado contra um membro do partido governamental, o ex-ministro de Assuntos Religiosos Ejaz ul-Haq, nas proximidades de sua residência na região de Haroonabad, na cidade oriental de Bahawalnagar, segundo a Polícia distrital. Dois supostos terroristas suicidas se aproximaram da residência em uma motocicleta, mas morreram quando as bombas que carregavam explodiram prematuramente.

Tudo o que sabemos sobre:
Benazir Bhuttoatentado, Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.