Bibi critica novamente decisão da Suécia e nega divisão de Jerusalém

Premiê israelense afirma que reconhecimento de Estado palestino pelo país europeu foi 'irresponsável'

O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2014 | 19h02

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, reforçou nesta sexta-feira, 7, que considera um erro a decisão política da Suécia de reconhecer o Estado palestino. O político israelense negou a possibilidade de fazer de Jerusalém a capital da Palestina, na parte Oriental, e de Israel na Ocidental, e contestou o uso do termo "colonização" para designar a presença israelense em território palestino.

"Reconhecer um Estado palestino que não reconhece o Estado judeu nem acordou os requerimentos de segurança para esse Estado, é irresponsável", argumentou Bibi, criticando a decisão da Suécia.

"Jerusalém é uma questão muito sensível. Tratamos com muita delicadeza, mas é também nossa capital e, portanto, não é um assentamento. Todo mundo sabe que em qualquer acordo de paz permanecerá como parte de Israel", disse. Nos últimos meses, o governo israelense tem sido criticado pelos aliados Estados Unidos e na Europa por permitir construções em Jerusalém Oriental.

Netanyahu afirmou que a "medula do conflito", que perdura desde 1948, é a recusa dos povos árabes em reconhecer o direito dos judeus ao Estado de Israel. "Reconhecer, como fizeram alguns países europeus, o Estado da Palestina sem exigir as mesmas condições para o Estado do povo judeu, é irresponsável."

No mês passado, o premiê já havido dito que a posição política sueca atrapalharia as negociações de paz entre o governo israelense e o povo palestino. A Suécia foi o primeiro país da Europa a dar reconhecimento oficial à Palestina, um passo em direção a "Solução dos dois Estados", em que se prevê a coexistência legal dos dois povos na região. /EFE

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Binyamin NetanyahuIsraelpalestinos

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.