Bibi fala em diálogo ''sem precondições'' com Síria

O primeiro-ministro de Israel,Binyamin Bibi Netanyahu, disse estar disposto a retomar "imediatamente" e "sem precondições" as negociações de paz com a Síria, congeladas desde a ofensiva israelense na Faixa de Gaza, entre dezembro e janeiro. O anúncio foi feito ontem, após o desembarque de Bibi em Tel-Aviv, no retorno de seu primeiro encontro oficial com o presidente dos EUA, Barack Obama."Disse que estava pronto para iniciar imediatamente conversas de paz com os palestinos - e com os sírios também, obviamente", afirmou Bibi a jornalistas. Em seguida, ele completou que Israel não imporia "precondições" ao diálogo. Durante sua passagem por Washington, o israelense manteve silêncio sobre uma aproximação com a Síria. O governo Obama apoia o diálogo como parte de um esforço para tirar Damasco da área de influência do Irã. "Deixo claro que qualquer acordo deve responder às necessidades de segurança de Israel", completou Netanyahu.Em seu encontro com Obama, Bibi apoiou a iniciativa de ampliar as metas das negociações de paz, incluindo parte do mundo árabe. Mas Netanyahu se esquivou de um compromisso com a formação de um Estado palestino - posição defendida por Washington.Líder de uma coalizão de direita, Bibi assumiu em janeiro com um programa que tem como base a segurança e a restrição do diálogo com os palestinos. Até agora, o premiê não se pronunciou sobre a criação de um Estado palestino - nem a favor nem contra.Sobre o diálogo com Damasco, o chanceler do novo gabinete, o ultradireitista Avigdor Lieberman, afirmou dias após sua posse que as Colinas do Golan seriam retiradas da mesa de negociação. Ocupadas em 1967 por Israel, a região é a principal reivindicação síria para a paz. Do outro lado, israelenses condicionam um acordo com a Síria ao reconhecimento de Israel e ao fim do apoio de Damasco a grupos extremistas. Analistas dizem que a abertura do "canal sírio" seria uma forma de Netanyahu evitar a crescente pressão dos EUA por um acordo com os palestinos. Em Washington, Bibi ouviu de Obama e da secretária americana de Estado, Hillary Clinton, que o único acordo aceitável para a questão palestino-israelense é a chamada solução de dois Estados. Netanyahu conduziu negociações com a Síria em seu primeiro governo (1996-1999). O diálogo, entretanto, naufragou com o início da segunda intifada, em 2000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.