Spencer Platt/Getty Images/AFP
Spencer Platt/Getty Images/AFP

Biden acusa Trump de contar 'mentiras deslavadas' sobre voto por correspondência

Ocupando um papel discreto desde o fim das primárias, candidato democrata disse que presidente tenta encobrir seus próprios fracassos com ataques

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2020 | 09h06

Ocupando um papel discreto desde o fim das primárias do Partido Democrata, o candidato à presidência dos Estados Unidos Joe Biden rompeu o silêncio para fazer críticas a Donald Trump nessa segunda-feira, 3. Durante um evento virtual de arrecadação de fundos para a campanha, Biden afirmou que Trump está contando "mentiras deslavadas" sobre o voto por correspondência, com a finalidade de encobrir seus próprios fracassos e tentar adiar as eleições.

"Ele sugeriu que adiássemos as eleições, contando mentiras deslavadas sobre como o voto por correspondência seria fraudulento e como seria terrível", disse Biden. E completou: "Bem, veja, ele está buscando qualquer maneira de explorar a pandemia para fins políticos. Isso distrai seu fracasso completo".

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

A ofensiva de Biden é uma resposta a declarações feitas por Trump na semana passada,  em que o presidente defendeu o adiamento da eleição, argumentando que a ampliação do voto por correio na disputa deste ano tornaria a votação a "mais imprecisa e fraudulenta da história".

O diretor de comunicações da campanha de Trump, Tim Murtaugh, disse que o presidente estava "chamando a atenção do fato claro" de que a votação universal por correio cria "cenários de pesadelo nas eleições".

"Joe Biden e a esquerda radical estão usando o medo para capitalizar com a crise do coronavírus, em um esforço para assustar os eleitores a ficarem em casa no dia das eleições", disse Murtaugh.

Os Estados Unidos estão sofrendo uma pandemia de coronavírus que já matou mais de 155 mil pessoas. Além do cenário da pandemia, a recessão econômica e os protestos contra o racismo e a violência policial são fatores relevantes nesse momento decisivo do processo eleitoral./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.