Robyn Beck / AFP
Robyn Beck / AFP

Biden acusa Trump de 'trair' os EUA ao retirar tropas da Síria

O pré-candidato democrata entra assim para o coro de políticos dos dois grandes partidos americanos que condenaram a decisão do presidente americano

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2019 | 23h12

WASHINGTON - O ex-vice-presidente dos Estados Unidos e atual pré-candidato do Partido Democrata às eleições de 2020, Joe Biden, afirmou nesta quinta-feira, 10, que o presidente do país, Donald Trump, se deixou "enganar" pela Turquia ao aceitar retirar as tropas americanas do norte da Síria e isso representa uma "traição" aos próprios militares.

Biden, que está empatado com a senadora Elizabeth Warren nas pesquisas de intenção de voto para as primárias democratas, criticou duramente a política de Trump em comunicado divulgado um dia depois do início da ofensiva turca no norte da Síria, que já deixou ao menos 100 mortos e fez com que 60 mil pessoas tivessem que deixar suas casas, de acordo com relatos de ONGs.

"Donald Trump vendeu ao melhor licitante as Forças da Síria Democrática (FSD), os valentes curdos e árabes que lutaram conosco para derrotar o califado do Estado Islâmico (EI)", disse Biden em comunicado.

"Mas isso não é tudo: também traiu as nossas valentes tropas, que se sacrificaram com eles. Traiu a nossa palavra como nação, semeando dúvidas entre nossos aliados no mundo sobre os compromissos dos EUA e traiu nossa segurança ao dar sinal verde a uma incursão turca que criará o caos e permitirá que o EI volte a crescer", acrescentou.

Biden criticou especialmente, chamando-a de "insultante", a afirmação feita por Trump de que os EUA não têm nenhuma obrigação de proteger os curdo-sírios, porque eles supostamente "não ajudaram" os EUA "na 2ª Guerra".

"Segundo esse padrão, só o Canadá, uns poucos aliados europeus e outros poderiam esperar que os Estados Unidos os defendam, e mesmo eles poderiam ter dúvidas depois das ações de Trump", opinou.

O ex-vice-presidente criticou Trump por tomar a decisão "impulsivamente, após uma ligação telefônica para outro líder autoritário, o presidente turco (Recep Tayyip) Erdogan".

"Não houve nenhuma consulta com nossos militares, nossos diplomatas ou nossos aliados. Trump foi enganado, simplesmente, porque não tem nem ideia do que está fazendo", declaro Biden, além de chamar o atual presidente de "incompetente".

Biden presidiu por anos a Comissão de Relações Exteriores do Senado americano e é conceituado em temas de política internacional, o que contribuiu decisivamente para que fosse indicado para companheiro de chapa de Barack Obama em 2008.

O pré-candidato democrata entrou assim para o coro de políticos dos dois grandes partidos americanos que condenaram a decisão de Trump de assumir um lado na questão relativa ao norte da Síria. Entre eles estão ferrenhos aliados do presidente, como os senadores republicanos Lindsey Graham e Liz Cheney.

Graham anunciou ontem um acordo bipartidário para promover um pacote de sanções à Turquia que afetaria qualquer ativo de líderes turcos nos EUA, incluindo Erdogan, além de proibir ajuda militar ao país e negócios com suas empresas do setor de energia. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.