Jim Huylebroek/NYT
Jim Huylebroek/NYT

Biden ainda pode estar certo no Afeganistão; leia artigo

Pluralismo semeado no país nos últimos 20 anos de ocupação pode restringir o reacionarismo fundamentalista do Taleban

Thomas L. Friedman*, The New York Times, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2021 | 05h00

Durante anos, as autoridades americanas usaram uma frase abreviada para descrever a missão dos Estados Unidos no Afeganistão. Sempre me incomodou: estamos lá para treinar o Exército afegão para lutar por seu próprio governo.

Isso acabou sendo um resumo de tudo o que estava errado com a missão americana: a ideia de que os afegãos não sabiam como lutar e que apenas mais um curso de contrainsurgência resolveria. 

Sério? Pensar que você precisa treinar os afegãos para lutar é como pensar que você precisa treinar os ilhéus do Pacífico a pescar. Os homens afegãos sabem lutar. Eles lutaram entre si, e contra os britânicos, soviéticos ou os americanos há muito tempo.

Nunca foi sobre a forma como nossos aliados afegãos lutaram. Sempre foi sobre a vontade deles de lutar pelos governos corruptos pró-americanos e pró-Ocidente que os EUA ajudaram a levantar em Cabul. E desde o início, as forças menores do Taleban – que nenhuma superpotência estava treinando – tinham a vontade mais forte, bem como a vantagem de serem vistas como combatentes que lutavam pelos princípios do nacionalismo afegão: independência em relação aos outros países e preservação do Islã fundamentalista como base da religião, cultura, direito e política.

Em países frequentemente ocupados como o Afeganistão, muitas pessoas irão preferir ter seu próprio povo como governantes (por mais horríveis que sejam) a estrangeiros (por mais bem-intencionados que sejam).

“Aprendemos novamente com o Afeganistão que, embora os EUA possam impedir que coisas ruins aconteçam no exterior, ela não pode fazer coisas boas acontecerem. Isso tem que vir de dentro do país”, disse Michael Mandelbaum, um especialista em política externa dos EUA e autor de Missão Fracasso: América e o Mundo na Era Pós-Guerra Fria.

Tudo isso leva a uma pergunta fundamental e dolorosa: a missão dos EUA lá foi um fracasso total?

Aqui, eu invocaria uma das minhas regras rígidas sobre a cobertura do Oriente Médio: quando grandes eventos acontecem, sempre faça distinção entre a manhã seguinte e a manhã seguinte da manhã seguinte. Tudo o que é realmente importante acontece na manhã seguinte da manhã seguinte – quando todo o peso da história e os impiedosos equilíbrios de poder se afirmam. E assim será no Afeganistão.

Resistência

Vamos começar com o Taleban. Na segunda-feira, eles tiveram uma grande celebração. Estão dizendo a si mesmos que derrotaram outra superpotência. Mas será que o Taleban simplesmente retomará de onde parou há 20 anos – abrigando a Al-Qaeda, impondo zelosamente seu islamismo puritano e subjugando e abusando de mulheres e meninas? Será que o Taleban tentará atacar alvos americanos e europeus em seu solo?

Não sei. Eu sei que eles apenas herdaram a responsabilidade por todo o Afeganistão. Em breve, eles enfrentarão uma enorme pressão para entregar encomendas e empregos para os afegãos. E isso vai exigir ajuda externa e investimentos de países nos quais os Estados Unidos têm muita influência – Catar, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Paquistão e os membros da UE.

Com a saída dos Estados Unidos, o Taleban também terá que navegar para sobreviver enquanto nada sozinho com alguns tubarões reais – Paquistão, Índia, China, Rússia e Irã. Eles podem querer manter o número de telefone da Casa Branca entre seus contatos favoritos.

“O Taleban pós-2001 provou ser uma organização de aprendizado, mais política e mais aberta à influência de fatores externos”, disse Thomas Ruttig em um artigo para o Centro de Combate ao Terrorismo em West Point.

Veremos. Os primeiros sinais não são promissores. Mas precisamos observar como e se eles estabelecem controle total. O principal problema do Taleban com os EUA é que os americanos estavam em seu país. Vamos ver o que acontece quando partirem.

E vamos lembrar também: quando os Estados Unidos invadiram o Afeganistão em 2001, iPhones, Facebook e Twitter nem existiam. Avance para os dias de hoje: o Afeganistão não está apenas muito mais conectado ao mundo, mas também internamente. Não será tão fácil para o Taleban ocultar seus abusos do mundo ou de outros afegãos.

Em 2001, praticamente ninguém no Afeganistão possuía um telefone celular. Hoje, mais de 70% dos afegãos têm, e muitos deles têm smartphones habilitados para internet. Embora não haja nada inerentemente liberalizante sobre a posse de um telefone, de acordo com um estudo de 2017 da Internews, a mídia social do Afeganistão já está propagando mudanças, uma vez que se tornou uma plataforma para denunciar casos de corrupção e injustiça, chamando a atenção para causas que ainda não foram abordadas na mídia tradicional e aparentemente deixando qualquer usuário de mídia social expressar uma opinião pública.

Talvez o Taleban simplesmente desligue tudo. Mas talvez eles não consigam.

Ao mesmo tempo, uma reportagem de 7 de julho na revista Time sobre o Afeganistão observou: “Quando as forças apoiadas pelos EUA tiraram o Taleban do poder, em 2001, quase não havia meninas na escola em todo o país. Hoje, há milhões e dezenas de milhares de mulheres cursando a universidade, estudando de tudo, desde medicina até pintura em miniatura.”

Talvez na manhã seguinte à manhã seguinte, o Taleban simplesmente mande todas elas voltarem para as burcas e feche as escolas. Mas talvez eles também encontrem resistência de esposas e filhas que nunca encontraram antes – precisamente por causa das sementes de mudança social, educacional e tecnológica plantadas pelos Estados Unidos nos últimos 20 anos. Não sei.

E se todos os afegãos mais instruídos tentassem emigrar – incluindo funcionários públicos, encanadores, eletricistas, especialistas em conserto de computadores e mecânicos de automóveis – e na manhã seguinte, o país ficasse com um bando de capangas do Taleban mal alfabetizados para comandar o lugar? O que eles farão então? Especialmente porque este é um Afeganistão muito mais estressado ambientalmente do que aquele que o Taleban governou.

De acordo com um relatório publicado no ano passado pela National Geographic, “o Afeganistão é um dos países mais vulneráveis do mundo às mudanças climáticas e um dos menos equipados para lidar com o que está por vir” – incluindo secas, inundações, avalanches, deslizamentos de terra, climas extremos e deslocamento de massa.

Melhora

Quanto à equipe de Biden, é difícil imaginar uma manhã pior para ela em Cabul. Mas, em última análise, a equipe de Biden será julgada por como lidar com a manhã após a manhã seguinte. Biden fez uma afirmação que os EUA estariam mais seguros e seriam mais capazes de lidar com qualquer ameaça terrorista se estivessem fora do Afeganistão do que se permanecem embutidos lá, com todos os custos de pessoas, energia e foco. Ele novamente sugeriu isso ontem.

A equipe de Biden disse essencialmente que a velha maneira de tentar proteger os EUA dos terroristas do Oriente Médio por meio da ocupação e construção da nação não funciona e existe uma maneira melhor. Ele precisa nos dizer qual é esse caminho e prová-lo na manhã seguinte à manhã seguinte.

Estamos no início de um dos maiores desafios geopolíticos que o mundo moderno já enfrentou. Porque agora há países – Líbia, Líbano, Iêmen, Afeganistão, Somália – que expulsaram as grandes potências coloniais que antes os controlavam (e isso trouxe ordem e desordem), mas agora também falharam manifestamente em se governar. O que fazer?

Quando o presidente francês, Emmanuel Macron, visitou o Líbano em julho de 2020, ele recebeu em sua chegada uma petição assinada por cerca de 50 mil libaneses pedindo que a França assumisse o controle do Líbano por causa da “total incapacidade do governo libanês de proteger e administrar o país.” Duvido que seja a última petição que veremos.

Prognósticos

Nos últimos 20 anos, os EUA tentaram se defender do terrorismo proveniente do Afeganistão tentando alimentá-lo para a estabilidade e prosperidade por meio da promoção do pluralismo de gênero, pluralismo religioso, pluralismo educacional, pluralismo da mídia e, em última análise, político.

Essa teoria não estava errada. Estamos entrando em uma era sem precedentes na história da humanidade, com duas mudanças climáticas simultâneas e extremamente desafiadoras ao mesmo tempo: uma no clima da tecnologia e outra no clima do clima. Sem esse pluralismo, nem o Afeganistão nem qualquer um desses outros Estados em decadência será capaz de se adaptar ao século 21.

Mas a teoria dependia da existência de afegãos suficientes dispostos a aceitar mais esse pluralismo. Muitos estavam. Mas muitos não. Então, Biden determinou que os EUA precisavam interromper esse esforço, deixar o Afeganistão e reajustar a estratégia de defesa. Rezo para que ele esteja certo. Mas ele será julgado pelo que acontecer na manhã seguinte da manhã seguinte.

* É COLUNISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.