Biden alerta para mais ''sacrifícios'' no Afeganistão

Vice-presidente dos EUA diz que aumentará o número de soldados mortos no país, mas que guerra ?vale o esforço?

AP E NYT, LONDRES, O Estadao de S.Paulo

24 de julho de 2009 | 00h00

Apesar das críticas provocadas pelo recorde de baixas militares no Afeganistão este mês, o vice-presidente americano, Joe Biden, disse ontem que a guerra "vale a pena" e anunciou que o número de soldados mortos crescerá ainda mais.A declaração foi feita à rede britânica BBC durante visita oficial à Geórgia. "Mais (mortes) virão", disse Biden. "Vale o esforço que estamos fazendo e o sacrifício que está sendo sentido."A mensagem do vice-presidente americano foi dirigida particularmente à opinião pública britânica, alarmada com o número cada vez maior de baixas registradas entre os seus soldados na luta contra o Taleban.Londres mantém atualmente 9 mil militares em solo afegão - o segundo maior contingente depois do Exército americano. Desde o início da ofensiva, em 2001, 188 britânicos morreram em combate, 19 só este mês. As baixas britânicas no Afeganistão já superam as registradas na guerra do Iraque.Biden declarou que os soldados britânicos "estão entre os mais bem treinados e mais valentes guerreiros do mundo". Ele associou o aumento no número de mortes à "estação dos combates" que ocorrem "entre o Afeganistão e o Paquistão, local de onde partiram os ataques da Al-Qaeda em 11 de Setembro e os ataques na Europa".Os soldados britânicos atuam principalmente na Província de Helmand, no sul do Afeganistão. O local é considerado um dos mais perigosos enclaves do Taleban.O aumento no número de mortos levantou dúvidas sobre a real capacidade de os britânicos cumprirem sua missão. Críticos do premiê britânico, Gordon Brown, questionam se o governo está fornecendo a seus soldados o equipamento militar adequado.A oposição britânica diz que haveria menos militares mortos no Afeganistão se os contingentes estivessem sendo transportados por helicópteros e não por via terrestre. "Nós definitivamente não temos helicópteros suficientes", disse na quarta-feira um dos secretários da chancelaria britânica, Lord Malloch-Brown."É completamente errado dizer que as perdas de vidas são provocadas pela falta de helicópteros", retrucou Malloch-Brown. "Para o que estamos fazendo no momento, temos os helicópteros que precisamos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.