Yuriy Maksimov/Efe
Yuriy Maksimov/Efe

Biden chega na Ucrânia para dar respaldo a Kiev em crise

Vice-presidente americano terá reuniões com líderes ucranianos para tratar da situação econômica

O Estado de S. Paulo,

21 de abril de 2014 | 12h42

KIEV - O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, chegou na Ucrânia nesta segunda-feira, 21, para se reunir com líderes do país e dar respaldo frente à ação das milícias pró-Rússia no leste ucraniano. A visita ocorre um dia depois de um tiroteio em um posto de checagem perto de Slaviansk deixar três mortos.

Biden se reunirá terça-feira com o presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchinov, e com o primeiro-ministro, Arseni Yatseniuk, para falar sobre a instável situação econômica do país. Os avanços sobre reforma constitucional e descentralização administrativa, duas das principais reivindicações dos pró-russos, e a segurança energética da Ucrânia também serão temas das reuniões.

O Departamento de Estado americano advertiu nesta segunda as autoridades russas sobre as consequências do não cumprimento do acordo alcançado na quinta-feira 17 em Genebra, quando Ucrânia, Rússia, Estados Unidos e União Europeia aprovaram um documento para estabilizar a situação.

A Rússia se comprometeu a persuadir milícias a baixar suas armas e desocupar os edifícios públicos em cidades do leste ucraniano. No entanto, os insurgentes pró-russos continuam instalados nas Prefeituras de Donetsk e Slaviansk.

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, também acusou Kiev de descumprir os pontos do acordo. Segundo ele, "muitos dirigentes políticos do sudeste da Ucrânia continuam presos". O acordo também previa a anistia aos insurgentes pró-Rússia que participaram do levante contra o governo em Kiev, exceto no caso de pessoas culpadas por crimes graves.

Crimeia. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, enviou nesta segunda ao Parlamento um esboço do projeto de lei que designa o território recém-anexado da Crimeia como uma área de jogo legal.

A Rússia agiu rapidamente para incorporar a Crimeia, desde que a região se separou da Ucrânia em março, e propôs uma série de planos de incentivo ao investimento e inclusão do território na infraestrutura nacional.

Além de construir uma ponte para ligar a Crimeia à Rússia e estabelecer linhas de comunicação sob o estreito que separa os dois territórios, autoridades russas sugeriram declarar a região uma zona econômica especial e criar um regime tributário específico para atrair investidores. Esforços também estão sendo feitos para reduzir a dependência da Crimeia de eletricidade e abastecimento de água da Ucrânia./ EFE e REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
crise na UcrâniaJoe BidenEUARússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.