Biden defende sanções ao Irã em reunião com Erdogan

O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, defendeu a adoção de sanções contra o Irã durante uma reunião com o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, mas não pediu aos turcos para juntarem-se aos países que estão pressionando o governo iraniano. "O vice-presidente defendeu que precisamos continuar pressionando o Irã e que esse era o melhor modo mais provável de modificarmos o comportamento" do país, afirmou uma autoridade norte-americana logo após a reunião entre Biden e Erdogan, que aconteceu na casa do primeiro-ministro turco e durou duas horas - muito mais do que os 45 minutos previstos

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2011 | 18h20

A fonte acrescentou que, durante o encontro, Biden também teria ressaltado que "as sanções ao Irã estão resultando num impacto visível" sobre o governo iraniano porque sua influência está diminuindo.

Erdogan recentemente passou por uma cirurgia e desde então não foi visto em público. Segundo a autoridade norte-americana, o primeiro-ministro "parecia estar muito bem".

A Turquia está se tornando um aliado cada vez mais importante dos EUA em uma série de questões de política externa, particularmente aquelas ligadas ao Irã e à Síria. Antes de viajar a Istambul, onde representou os EUA durante uma reunião de cúpula sobre empreendedorismo, Biden passou dois dias no Iraque. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BidenIrãErdoganEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.