Carolyn Kaster/AP
Carolyn Kaster/AP

‘Estamos em guerra contra o coronavírus’, diz Biden

Presidente eleito pediu que americanos sigam orientações de saúde e se comprometeu a tornar o combate à pandemia uma prioridade máxima de seu governo; EUA têm maior registro de mortes desde maio

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2020 | 17h42
Atualizado 01 de dezembro de 2020 | 20h22

 

WILMINGTON, EUA  - O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu nesta quarta-feira, 25, que a partir do primeiro dia de sua presidência serão tomadas medidas que “alterarão o rumo da covid-19”. Ele também pediu aos americanos que sigam as orientações de saúde. 

“Nenhum desses passos que pedimos às pessoas são declarações políticas. Cada um deles tem a ciência como base. Sei que podemos e venceremos esse vírus”, afirmou. “Os EUA não vão perder essa guerra. A vida voltará à normalidade. Isso ocorrerá. Isto não durará para sempre”, acrescentou. 

Esta quarta-feira foi o dia em que os americanos registraram o maior número de mortes desde maio – mais de 2 mil óbitos. A Califórnia estabeleceu um novo recorde diário de contaminações: 18,3 mil. Os EUA, com cerca de 4% da população mundial, vêm relatando um quarto dos novos casos e aproximadamente um quinto das mortes em todo o mundo. 

Biden pediu que os americanos tomem medidas para permanecerem seguros, em meio ao aumento de casos de covid-19 na véspera do feriado de Ação de Graças, e se comprometeu novamente a tornar o combate à pandemia uma prioridade máxima de seu governo, após acusar Donald Trump durante a campanha de dar uma resposta equivocada à crise de saúde pública.

“Acredito que vocês sempre merecem ouvir a verdade de seu presidente. Temos de desacelerar o crescimento desse vírus. Devemos isso aos médicos, enfermeiros e funcionários da linha de frente. Devemos isso aos nossos concidadãos”, disse Biden. Ele afirmou que os EUA enfrentaram “um inverno longo e difícil”, mas foi durante as circunstâncias mais difíceis que “a alma de nossa nação foi forjada”.

Biden disse esperar que as recentes notícias positivas sobre as vacinas sirvam de incentivo para as pessoas tomarem medidas simples para manter o vírus sob controle. Ele pediu às pessoas que evitem grandes reuniões familiares, usem máscaras e mantenham o distanciamento social. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.