AFP PHOTO / MENAHEM KAHANA
AFP PHOTO / MENAHEM KAHANA

Biden diz que manterá Embaixada dos EUA em Jerusalém se for eleito presidente

Ex-vice-presidente diz lamentar a decisão de Trump de transferir a representação, mas agora que está feito, não a levará de volta para Tel-Aviv

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2020 | 20h24

WASHINGTON - O pré-candidato democrata à presidência dos Estados Unidos Joe Biden disse nesta quarta-feira, 29, que manterá a embaixada americana em Jerusalém se vencer a eleição de novembro, apesar de lamentar a decisão do presidente Donald Trump de removê-la de Tel-Aviv.

O ex-vice-presidente afirmou que a delegação "não deveria ter sido transferida" pelo governo de Trump sem um acordo de paz no Oriente Médio. "Mas agora que está feito, não levarei a embaixada de volta a Tel-Aviv", declarou Biden durante um evento de captação de recursos online.

 Mas "agora que está feito, não levarei a embaixada de volta a Tel Aviv", declarou Biden durante um evento de captação de recursos online.

"Mas o que eu faria ... Seria também abrir nosso consulado em Jerusalém oriental para dialogar com os palestinos, e meu governo exortaria as duas partes a tomar iniciativas para manter viva a perspectiva de uma solução de dois Estados", declarou o democrata a cerca de 250 doadores, reunidos por videoconferência. 

Desde sua chegada à Casa Branca, em janeiro de 2017, Trump multiplicou gestos a favor de Israel, reconhecendo Jerusalém como capital do Estado hebraico em dezembro do mesmo ano e transferindo a embaixada de Tel Aviv para a cidade santa em  maio. 

Essa decisão modificou a posição americana - e a diplomacia internacional - vigente há décadas, já que os palestinos pretendem ter sua capital em Jerusalém oriental, um setor da cidade ocupada por Israel em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias

No final de janeiro de 2020, Jared Kushner, genro e conselheiro de Trump, revelou um plano de paz para o Oriente Médio que faz grande número de concessões a Israel e foi totalmente rejeitado pelos palestinos, por isso continua sendo letra morta.

O plano prevê tornar Jerusalém a capital "indivisível" de Israel, bem como a anexação pelo Estado hebraico do Vale do Jordão e mais de 130 colônias judaicas na Cisjordânia, território palestino ocupado pelos israelenses desde 1967. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.