Tom Brenner/The New York Times
Tom Brenner/The New York Times

Biden diz que os EUA defenderiam Taiwan no caso de um ataque chinês 

Comentários vão contra a política americana de longa data de 'ambiguidade estratégica', segundo a qual Washington ajuda Taiwan a construir suas defesas sem se comprometer a sair em apoio à ilha;

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2021 | 23h59

WASHINGTON - O presidente americano, Joe Biden, disse nesta quinta-feira, 21, que os Estados Unidos defenderiam Taiwan no caso de um ataque da China. "Temos esse compromisso", afirmou ele em um evento da TV CNN com eleitores, quando questionado sobre o tema. 

O líder americano também afirmou que não quer trabalhar em conjunto com a China, mas que está em conversas com o presidente do país, Xi Jinping, para mostrar que os EUA não darão passos para trás. 

"Militarmente, China, Rússia e o restante do mundo sabem que somos os mais poderosos", disse Biden. "A coisa com a qual devemos nos preocupar é se eles se colocaram em uma posição de cometer algum erro grave."

Em resposta às declarações de Biden, a China pediu que o presidente americano tenha "prudência" e que evite enviar sinais errados. "Em questões relacionadas a seus interesses fundamentais, como sua soberania e integridade territorial, a China não abre espaço para concessões", afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês Wang Wenbin em conversa com a imprensa.

Biden fez uma promessa semelhante em agosto, quando disse à ABC que os EUA sempre defenderiam seus principais aliados, incluindo Taiwan, mesmo tendo retirado suas tropas do Afeganistão.

Os comentários de Biden vão contra a política de longa data dos EUA de "ambiguidade estratégica", segundo a qual Washington ajuda Taiwan a construir suas defesas sem se comprometer a sair em apoio à ilha.

As tensões militares entre Taiwan e China estão em seu pior momento em mais de 40 anos, disse o ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, neste mês, acrescentando que a China será capaz de montar uma invasão "em grande escala" até 2025. 

A China afirma que Taiwan é parte de seu território, que deve ser tomado à força, se necessário. Taiwan diz que é um país independente e defenderá suas liberdades e democracia./REUTERS, AFP e AP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.