Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Biden mira futuro, enquanto Bolsonaro não se olha no espelho; leia análise 

Após quatro anos de negacionismo trumpista, Joe Biden e Kamala Harris abriram a cúpula do clima visando dar novo impulso ao enfrentamento do aquecimento global

Carlos Rittl, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2021 | 05h00

Foi em alto nível que a vice-presidente e o presidente dos EUA, Kamala Harris e Joe Biden, deram início ao mais importante evento sobre mudanças climáticas desde a assinatura do Acordo de Paris. Após quatro anos de negacionismo trumpista, eles abriram a cúpula do clima visando dar novo impulso ao enfrentamento do aquecimento global

Em seu discurso, Biden defendeu a ciência, enfatizou a necessidade de limitarmos o aquecimento global a 1,5°C em relação a níveis pré-revolução industrial, para evitarmos catástrofes mais frequentes e mais intensas, e convocou líderes de todas as grandes economias a acelerarem sua ação. “Todos nós, em especial os que representamos as maiores economias do mundo, temos que dar um passo à frente”, afirmou Biden. 

Ele anunciou as novas metas climáticas: redução entre 50 e 52% das emissões de gases-estufa dos EUA até 2030, em relação a índices de 2005. Além disso, também se comprometeu a ajudar países mais pobres em seu desafio de desenvolvimento limpo e de enfrentamento dos eventos climáticos extremos com recursos. Biden foi elogiado por vários dos líderes que discursaram a seguir, como Angela Merkel, Emmanuel Macron, Ursula von der Leyen, Xi Jinping, Yoshihide Suga e Narendra Modi

O “neo-ex-negacionista” Jair Bolsonaro fez sua primeira participação em eventos sobre clima. Buscando conseguir um cheque em branco americano para proteger florestas que ele não protege, o presidente brasileiro fez um discurso sobre um país muito diferente da realidade de sua agenda anti-ambiental. Afirmou que “o Brasil está na vanguarda do enfrentamento ao aquecimento global”, apesar de ter desmantelado a governança de clima do País, apresentado em 2020 metas climáticas piores que as de 2015 e aumentado a taxa de desmatamento da Amazônia em quase 50%. Disse ainda que determinou “o fortalecimento dos órgãos ambientais”, na mesma semana em que mais de 600 agentes do Ibama denunciaram a paralisação da fiscalização por mudanças em normas feitas pelo ministro Ricardo Salles.

Mas o efeito do discurso de Bolsonaro sobre Biden deve ser quase nenhum. O americano, que não assistiu ao discurso de Bolsonaro, recebeu recentemente inúmeras cartas assinadas por indígenas, ex-ministros, ambientalistas, artistas e até senadores democratas alertando-o sobre os riscos de os EUA se tornarem sócios da destruição da Amazônia se derem um cheque em branco para o governo brasileiro “proteger a floresta e seus povos.”

Como resultado, Biden convidou outra brasileira para participar do evento. Sineia do Vale, líder indígena wapichana falou da importância do conhecimento dos povos indígenas e o respeito a seus direitos, sob ataque na gestão Bolsonaro, para a proteção da Amazônia e o enfrentamento das mudanças climáticas. Este contraponto importante foi um enorme revés para Bolsonaro.

É DOUTOR EM BIOLOGIA TROPICAL PELO INPA (INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA) E SECRETÁRIO-EXECUTIVO DO OBSERVATÓRIO DO CLIMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.