Chuck Burton/Arquivo/AP
Chuck Burton/Arquivo/AP

Biden prepara-se para jogar duro com Ryan em debate

Democrata deve pressionar republicano a defender propostas de Romney sobre impostos e gastos governamentais

Agência Estado

10 de outubro de 2012 | 17h06

DANVILLE, KENTUCKY, ESTADOS UNIDOS - Há quatro anos, o democrata Joe Biden tomou muito cuidado para não parecer demasiadamente agressivo no debate entre vices com a republicana Sarah Palin, então uma novata no cenário político nacional dos Estados Unidos. Agora, enquanto se prepara para debater com Paul Ryan, que tem experiência de 14 anos no Congresso e é o republicano mais versado quando o assunto é orçamento, Biden está menos preocupado com a possibilidade de parecer agressivo.

Veja também:

link Debate entre vices nos EUA pode expor as duas faces de Ryan

tabela ESPECIAL: Eleições nos EUA

No geral, os debates entre os vices não atraem tanta atenção quanto os confrontos entre os candidatos a presidente, mas tanto democratas quanto republicanos concordam que há muito em jogo no debate desta quinta-feira à noite em Kentucky depois do decepcionante desempenho de Barack Obama diante de Mitt Romney na semana passada. No decorrer dos últimos dias, o bom desempenho de Romney o ajudou a anular a vantagem que Obama havia aberto recentemente nas pesquisas de intenção de voto.

"Acredito que Biden vá jogar duro", opinou a ex-governadora de Michigan, Jennifer Granholm, que ajudou o atual vice-presidente dos EUA a treinar para o debate com Sarah Palin em 2008. "Ele não vai ter que se preocupar com o tom. Vai poder falar de política e abordar temas como as mentiras deliberadas que o outro lado está propondo."

"Obviamente, o que esperamos é que o vice-presidente venha para cima de mim como uma bala de canhão", admitiu o próprio Paul Ryan esta semana. O congressista de 42 anos de idade vai precisar superar sua própria inexperiência em política externa e em debates nacionais, apesar de os próprios democratas reconhecerem a memória enciclopédica de Ryan para detalhes do orçamento e enfatizarem que o republicano tem os pés no chão.

"Paul Ryan é uma pessoa preparada do círculo de Washington. Conhece o orçamento como ninguém", comentou Granholm. É possível que Biden, de 69 anos, pressione Ryan a defender as propostas de Romney sobre impostos, gastos governamentais e cobertura dos programas de saúde.

Os democratas advertem que o orçamento desejado pelos republicanos inclui profundos cortes de despesas inaceitáveis para a maior parte dos eleitores. Se Biden tiver sucesso em seu intento, poderá acalmar os nervos de alguns democratas, apesar de nenhum dos dois partidos acreditar que os indecisos venham a decidir seu voto com base no debate vice-presidencial.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.