Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

Biden promete anunciar candidata a vice-presidente na próxima semana 

Entre as possíveis escolhidas para a posição estão as senadoras Kamala Harris e Elizabeth Warren e a ex-assessora de Segurança Nacional da Casa Branca Susan Rice

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2020 | 21h01
Atualizado 29 de julho de 2020 | 14h08

WASHINGTON - O candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta terça-feira, 28, que anunciará o nome de sua candidata a vice na primeira semana de agosto, pouco antes de receber formalmente a indicação democrata para enfrentar o atual presidente, o republicano Donald Trump, nas eleições de novembro.

"Tomarei uma decisão na primeira semana de agosto. Prometo que direi quando souber", antecipou Biden após fazer um discurso sobre crescimento econômico e igualdade em Wilmington, no Estado de Delaware, onde vive.

Biden, de 77 anos, garantiu que a pessoa que o acompanhará como vice na chapa será uma mulher. Entre as possíveis escolhidas para a posição estão as senadoras Kamala Harris e Elizabeth Warren e a ex-assessora de Segurança Nacional da Casa Branca Susan Rice. Outros nomes de senadoras que também estão fortes são Tammy Duckworth, de Illinois, e Tammy Baldwin, de Wisconsin.

Além disso, são ainda cotadas as congressistas Val Demings, da Flórida, e Karen Bass, da Califórnia, bem como as governadoras Gretchen Whitmer (Michigan) e Michelle Lujan Grisham (Novo México).

Com as grandes manifestações contra o racismo em junho, depois da morte de George Floyd, um homem negro morto nas mãos da polícia, cresce a pressão para que a escolhida seja uma mulher negra.

Quando questionado se conseguiria se encontrar pessoalmente com a pessoa selecionada em meio à pandemia do coronavírus, Biden respondeu "vamos ver". Ele ainda brincou que teria que enganar os repórteres de plantão na porta de sua casa para ter um encontro discreto com seu (ou sua) vice antes do anúncio.

A crise gerada pela pandemia de covid-19 afetou diretamente a campanha eleitoral americana para a eleição de 3 novembro.

Os democratas anunciaram há algumas semanas que realizariam a tradicional convenção do partido de maneira virtual em Milwaukee, no Estado de Wisconsin, em meados de agosto. Trump cancelou na semana passada os atos programados o fim de agosto em Jacksonville, na Flórida.

Os EUA chegaram na segunda-feira a 4.286.663 casos confirmados de covid-19, entre eles 147.588 mortes, de acordo com a contagem feita de forma independente pela Universidade Johns Hopkins. A maior parte dos novos contágios tem ocorrido nos Estados do sul e do oeste do país, como Califórnia, Texas e Flórida.

No encontro desta terça-feira, Biden também criticou Trump por sua maneira de lidar com a crise sanitária, que deixou quase 150 mil mortos nos EUA, e com os protestos anti-racismo. Ao ser perguntado por que quer ser presidente, o candidato democrata disse que está concorrendo porque Trump é o presidente. "Creio que nossa democracia está em jogo", afirmou./EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.