JIM WATSON / AFP
JIM WATSON / AFP

Biden será nomeado candidato democrata à presidência em evento virtual

No início deste mês, o ex-vice-presidente americano conquistou a indicação democrata depois que ex-rivais, incluindo os senadores Bernie Sanders e Elizabeth Warren, deixaram a corrida e passaram a apoiá-lo. 

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2020 | 01h55

WASHINGTON - Joe Biden aceitará pessoalmente a indicação presidencial democrata na convenção nacional do partido em agosto, mas será uma reunião virtual devido a preocupações com o coronavírus, anunciaram os organizadores nesta quarta-feira, 24. 

"O vice-presidente Biden pretende orgulhosamente aceitar a indicação de seu partido em Milwaukee e dar o próximo passo para tornar Donald Trump um presidente de mandato único", disse Jen O'Malley Dillon, diretora de campanha de Biden, em uma declaração distribuída pelo partido. 

A convenção está prevista para os dias 17 e 20 de agosto em Milwaukee, Wisconsin, um estado-chave em que Trump venceu em 2016, mas que os democratas tentam arrancar dele em novembro. 

No início deste mês, Biden, de 77 anos, conquistou a indicação democrata depois que ex-rivais, incluindo o senador Bernie Sanders e a senadora Elizabeth Warren, deixaram a corrida e passaram a apoiá-lo. 

Após consulta às autoridades de saúde pública, os organizadores da convenção determinaram que "as delegações estaduais não deveriam planejar viajar para Milwaukee e deveriam participar remotamente da convenção". 

"Liderança significa ser capaz de se adaptar a qualquer situação", disse o presidente do Comitê Nacional Democrata, Tom Pérez. 

"Ao contrário deste presidente, Joe Biden e os democratas estão comprometidos em proteger a saúde e a segurança do povo americano", acrescentou. 

Os organizadores disseram que um processo estava sendo desenvolvido para garantir que todos os delegados pudessem votar remotamente durante a convenção. 

Para minimizar os riscos à saúde pública, várias reuniões partidárias serão eliminadas e os democratas estão implementando novas maneiras de organizar e interagir online com os eleitores. 

Desde que o período de confinamento por conta da pandemia foi decretado em março, Biden passou grande parte tempo em sua casa em Delaware, embora tenha começado a participar de eventos de pequena escala. 

Na quinta-feira, ele se reunirá com famílias na Pensilvânia para discutir sobre seguro de saúde.

Trump, por seu lado, voltou aos grandes comícios presenciais na semana passada, mesmo em estados onde os casos do vírus dispararam. 

Os republicanos haviam planejado sua convenção na Carolina do Norte. Mas quando o governador se recusou a garantir que um grande comício pudesse ser realizado lá em meio à pandemia, Trump mudou o local para Jacksonville, na Flórida. 

A Flórida está no meio de um aumento nos casos de coronavírus, com 5.508 novos registrados na terça-feira, e o governador Ron DeSantis alertou para "uma verdadeira explosão" de infecções, principalmente entre os jovens./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.