Biden tentará reduzir tensão na Ásia na próxima semana

O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, usará a viagem à Ásia na próxima semana para reforçar aos principais aliados que os norte-americanos estão comprometidos com a estabilidade da região ao tentar reduzir as tensões entre Japão e China, afirmaram autoridades dos EUA.

AE, Agência Estado

28 de novembro de 2013 | 03h53

A viagem de Biden à Ásia já estava planejada há muito tempo, mas incluirá uma discussão sobre a declaração da China de uma nova Zona de Identificação e Defesa Aérea, a qual incluiu ilhas que são controladas pelo Japão e elevou as tensões regionais, afirmaram as fontes.

Segundo as autoridades, o vice-presidente dos EUA não deverá fazer uma demanda formal ou um aviso à China, mas discutirá o assunto com autoridades do país. Ele deverá avisar que tensões militares e territoriais na região poderão afetar adversamente a economia e o comércio.

Um membro sênior da administração disse que a viagem mostrará que os EUA são uma "força residente no Pacífico" no longo prazo. As conversas também incluirão discussões de um pacto comercial com 12 nações da Ásia e do Pacífico, esforços para reverter o programa nuclear da Coreia do Norte, uma discussão do recente plano da China para reformas econômicas e negociações para impulsionar o comércio com a Coreia do Sul via a extensão de um acordo de livre comércio.

Biden viajará no domingo. A primeira visita será a Tóquio, com o primeiro-ministro Shinzo Abe e seu vice, Taro Aso. Depois seguirá para a China, onde se encontrará com o presidente, Xi Jinping, e o primeiro-ministro, Li Keqiang. A última parada de Biden será na Coreia do Sul, onde a visita marcará o 60º aniversário do fim da Guerra da Coreia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUAÁsiatensões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.