EFE/EPA/ALEX PLAVEVSKI
EFE/EPA/ALEX PLAVEVSKI

‘Biden terá de buscar cooperação com a China’

Ex-presidente do Banco Mundial afirma que é impossível para os EUA deterem o crescimento da economia chinesa

Entrevista com

Robert Zoellick, ex-presidente do Banco Mundial

Guilherme Evelin , O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2020 | 05h00

Robert Zoellick ficou famoso no Brasil como o “sub do sub do sub”. Em 2002, foi assim que o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva o qualificou em meio à proposta de criação de uma Área de Livre-Comércio das Américas (Alca). Como representante comercial dos EUA, Zoellick era o principal negociador do governo George W. Bush. 

Apesar do desdém de Lula, Zoellick foi figura importante do governo Bush, o segundo nome do Departamento de Estado e presidente do Banco Mundial entre 2007 e 2012. Depois, se tornou membro do Centro Belfer para Ciência e Relações Internacionais, da Universidade Harvard. Este ano, Zoellick publicou o livro America in the World: A History of U.S Diplomacy and Foreign Policy. A seguir, trechos da entrevista dada por ele ao Estadão.

O senhor vê grandes mudanças na política externa dos EUA em um governo Biden? 

Trump representa uma quebra da política externa americana. Sua abordagem é transacional. Suas relações são baseadas no seu ego e nas ligações pessoais com outras figuras políticas. Sua política externa foi a continuidade de sua política doméstica. Ele governou desafiando a ordem estabelecida. Certos temas se tornaram simbólicos dessa mudança. Se Barack Obama negociou com o Irã, Trump quis sair do acordo. Se outros presidentes não negociaram com a Coreia do Norte, ele tratou de fazer isso. Sua política externa foi uma forma de se comunicar com sua base e dizer que ele era autêntico, diferente, e quebraria todos os padrões. Joe Biden foi presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado e vice-presidente. Seu desafio é ter uma agenda doméstica carregada: ele terá de lidar com a pandemia, recuperar a economia, lidar com questões raciais e de imigração e terá de dar prioridade às mudanças climáticas. Sua equipe deve se lembrar que Jimmy Carter, Bill Clinton e Barack Obama foram eleitos com maiorias democratas e grandes expectativas. Mas, depois de dois anos, tiveram derrotas políticas. Lembro do conselho que meu antigo chefe, James Baker, que foi chefe de gabinete de Ronald Reagan, deu a ele em 1981. “Presidente, o senhor tem três prioridades: recuperação econômica, recuperação econômica e recuperação econômica.”

Biden deve adotar uma abordagem mais multilateral nas relações internacionais. Qual o significado disso?

Isso ainda é muito vago. A equipe de Biden deveria alavancar sua agenda doméstica para o plano internacional. Por exemplo, se no próximo ano você tiver uma vacina e melhores tratamentos para a covid, os EUA deveriam não apenas voltar à OMS, mas tentar uma melhor cooperação entre Banco Mundial, bancos regionais de desenvolvimento e OMS para distribuição dessa vacina. Na questão das mudanças climáticas, além de voltar ao Acordo de Paris, ele deveria obter apoio de países em desenvolvimento. Ele pode dar ênfase a esforços contra o desflorestamento. Algumas iniciativas poderiam levar financiamento para países em desenvolvimento, como o Brasil. Em cada um dos temas domésticos, Biden pode achar um componente internacional, até mesmo para reconstruir laços com nossos aliados e criar uma base para lidar com grandes questões, como o futuro das sociedades livres e a ascensão da China. 

É possível prever antagonismos entre Biden e Bolsonaro na questão ambiental?

Vai depender das ações de Bolsonaro e do Congresso brasileiro. Um governo Biden não vai procurar briga com o Brasil. Ele tem outras demandas. Parte do desafio na América Latina será evitar uma década de estagnação por causa da pandemia. A crise da Venezuela também não atende ao interesse de ninguém. É uma tragédia que tem múltiplos efeitos, até mesmo para o Brasil. Biden deve conversar com outros governos na América Latina sobre como lidar com esse problema. Minha aposta é que o Brasil pode ser um parceiro-chave. Suspeito que Biden tentará encontrar uma política comum com o Brasil para lidar com a Venezuela. E Bolsonaro pode ser mais receptivo que outros governos brasileiros foram a uma ação conjunta, já que Lula parecia querer acomodar e aceitar os ataques à democracia na Venezuela. 

Como fica a competição entre EUA e China?

As relações estão em queda livre. Não sabemos qual é o fundo do poço e isso é perigoso. Trump começou focando no déficit comercial. Entre 2017 e 2019, o déficit não mudou. As exportações americanas, este ano, caíram em relação a 2017. À medida que a covid-19 passou a ameaçar sua reeleição, Trump passou a culpar a China pelo vírus, como desculpa para justificar sua resposta à pandemia. Isso provocou reação da China em quase todos os campos: ideológico, político, tecnológico, segurança. Biden tem de reconhecer que a atitude geral nos EUA se tornou mais negativa em relação à China. Os empresários americanos se queixam de transferência de tecnologia, de respeito a direitos de propriedade intelectual e da falta de acesso a mercados. O tratamento a Hong Kong e à minoria uigur é um entrave. A ansiedade cresceu com a maior assertividade dos militares chineses no Mar do Sul da China. As tensões estão em alta em relação ao Tibete. Há uma preocupação com o fato de os chineses quererem dominar tecnologias do futuro e isso pode colocar em risco as sociedades livres. Há dificuldades, mas a questão é saber se os EUA ainda podem trabalhar com a China. Se alguém quiser conter pandemia, mudanças climáticas e proliferação nuclear tem de trabalhar com a China. Reconheço que Xi Jinping está reforçando o papel do Partido Comunista e do setor estatal com políticas mais agressivas. A questão é achar uma base para competir com a China e, ao mesmo tempo, encontrar áreas para cooperar. Biden deve trabalhar de forma mais próxima aos aliados, incluindo Japão, Coreia do Sul e Austrália, além dos europeus. E isso pode propiciar uma oportunidade para o Brasil, não para cortar relações com a China, mas para pressionar os chineses em questões de interesse comum, como comércio, tecnologia e direitos humanos.

É possível concorrer e cooperar com a China?

O esforço para achar interesses comuns foi bem-sucedido no passado, em uma série de tópicos, como proliferação nuclear, taxas de câmbio para reduzir o superávit chinês nas transações correntes, cooperação com Banco Mundial e com FMI. É possível conter a China economicamente? Não. Outros países não aceitariam essa ideia. Você pode lidar com pandemia, questões climáticas e economia internacional isolando a China? Não. Então, do ponto de vista prático, você tem de encontrar áreas onde deter a China, como segurança; onde se desvincular da China, como 5G e tecnologia; e outras em que pode haver cooperação. Não é uma questão de preto ou branco. 

A pandemia aumentará o protecionismo no mundo?

A pandemia levou algumas economias a adotar políticas autárquicas para proibir a exportação de equipamentos de saúde ou alimentos. Também levou algumas empresas a adaptar suas cadeias de suprimento para ter maior diversidade de fontes. Vai haver uma tensão entre a adaptação ao novo mundo da covid e a autarquia. A autarquia não será bem-sucedida, mas as forças protecionistas vão procurar tirar vantagem para levantar barreiras. Teremos também políticas mais cautelosas. Há medidas que serão desenhadas para proteger a saúde das sociedades, mas que podem facilmente se transformar em políticas protecionistas. Se os EUA dão um passo atrás na globalização, como fez Trump, outros países se sentem incentivados a tomar a mesma atitude – e isso mina a capacidade de recuperação da economia internacional. A equipe de Biden não gosta da política comercial de Trump, mas ele sofre alguns constrangimentos por causa das forças protecionistas em feudos eleitorais do Partido Democrata. Minha aposta é que ele não dará ênfase ao comércio, mas seus assessores vão procurar oportunidades para promover a liberalização em algumas áreas, como comércio digital, bens ambientais e suprimentos de saúde.

O sr. trabalhou com James Baker, um dos pilares do que era o establishment republicano. Como vê o futuro do partido?

Trump sequestrou o partido. Em várias partes do mundo, as pessoas se sentem ameaçadas. Não é uma ameaça econômica. É mais uma ameaça à identidade e ao lugar que ocupam nas sociedades. Trump usou os ressentimentos das pessoas para construir uma coalizão política, que tirou o Partido Republicano do caminho para o qual estava indo, que era o de alcançar mais eleitores hispânicos, mulheres e moradores dos subúrbios. Ele foi bem-sucedido em construir uma base política forte, mas a demografia dessa coalizão não é boa no longo prazo. O eleitorado de homens brancos sem instrução superior deve encolher. Mas Trump foi eficaz em mobilizar a base e deixou outros republicanos com receio de enfrentá-lo. Eles encontraram, então, uma forma de se acomodar com Trump. Concentraram seus interesses em cortes de impostos e indicação de juízes conservadores para os tribunais. Após a derrota, é difícil dizer o que Trump fará. Muitos apostam que ele não vai se aposentar e ainda será uma força política. Acredito que haverá um debate entre os republicanos sobre o que significa ser um partido político de centro-direita conservadora. O Partido Republicano pode se transformar num partido populista nacionalista ou pode tentar recuperar políticas mais inclusivas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.