Biden vence Sarah em debate na TV

Vice de Obama ignora rival republicana e usa estratégia de atacar McCain; pesquisas indicam vitória do democrata

Patrícia Campos Mello, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

03 de outubro de 2008 | 00h00

Em um dos mais esperados debates da campanha americana, a candidata republicana à vice-presidência, Sarah Palin, e seu rival democrata, Joe Biden, se concentraram na crise econômica dos EUA para defender seus companheiros de chapa. Biden culpou o presidente George W. Bush pela crise e disse que um governo John McCain seria "mais do mesmo". Sarah contra-atacou com o mantra republicano, dizendo que o candidato democrata Barack Obama, se eleito, vai elevar impostos e exacerbar a crise. Pelo menos duas pesquisas feitas após o debate mostraram clara vitória de Biden. Veja repercussão e perfil dos vicesSarah, cuja inexperiência e desempenho duvidoso em entrevistas recentes estavam inquietando os republicanos, não cometeu grandes erros. Ela apostou em seu charme e jeitão caipira, abusando de expressões populares e menções à família e à sua pequena cidade de Wasilla, no Alasca. Para escapar de armadilhas, Sarah não respondeu diretamente à maioria das perguntas e se ateve aos slogans da campanha. O senador Joe Biden não cometeu nenhuma de suas costumeiras gafes e demonstrou clara superioridade em política externa e economia. Logo na entrada, Sarah abriu um amplo sorriso e perguntou ao veterano senador: "Posso te chamar de Joe?" Falando de economia, Sarah disse que qualquer pessoa que quisesse entender o impacto da crise deveria "falar com os pais de crianças em um jogo de futebol, que estão com medo de perder seus investimentos na bolsa". Ela disse que McCain foi o primeiro a alertar sobre a crise das hipotecas. Biden lembrou da gafe de McCain, que afirmou que "os fundamentos da economia são sólidos" às vésperas da quebradeira dos bancos. "Isso não torna John McCain uma má pessoa, mas o ponto é que ele está fora da realidade", disse o democrata. Sarah cometeu poucos erros - chamou o general David McKiernan, responsável pelas forças da Otan no Afeganistão, de "McClellan" (George McClellan foi general na Guerra Civil). Biden, apesar de ser mais experiente - já participou de 14 debates -, conseguiu não transparecer condescendência. Poupou Sarah, mas atacou diretamente McCain.Sarah ficou isolada nos últimos dias. Treinada por assessores republicanos, suas frases pareciam bem ensaiadas - muitas delas idênticas às de McCain. Muitas vezes desviava da resposta e voltava a slogans da campanha. Pressionada pela moderadora a responder uma pergunta sobre a lei de falências, que ela havia divagado falando sobre independência energética, Sarah disse: "Talvez eu não responda às perguntas do modo que a moderadora ou vocês queiram, mas eu vou falar direto para o povo americano."A republicana voltou a dizer que não acha que aquecimento global é resultado de ações humanas. "Acho que é em parte, mas há também os ciclos meteorológicos", disse. "Eu não quero discutir sobre as causas - eu quero discutir sobre como nós vamos agir em relação aos impactos." Ao que Biden lançou: "Se você não entende a causa, é difícil encontrar a solução."Sarah Palin tem 44 anos e é governadora do Alasca. Antes, foi prefeita de Wasilla, uma cidadezinha de 9 mil habitantes. Biden, de 65 anos, está no Congresso há 30 e é presidente do Comitê de Relações Exteriores.Para mostrar-se confortável com temas de política externa, ela repetiu algumas vezes os nomes dos líderes dos países considerados inimigos dos EUA - Mahmud Ahmadinejad do Irã, Kim Jong-il na Coréia do Norte e "os irmãos Castro" em Cuba.A primeira pesquisa instantânea divulgada logo após o debate pela CBS News mostrou que para 46% dos entrevistados Biden venceu o confronto, enquanto Sarah se saiu melhor para apenas 21% - 33% dos eleitores acharam que o debate terminou empatado. Outra pesquisa realizada pela CNN também apontou o triunfo do democrata (51% a 36%). A boa notícia para Sarah, no entanto, é que em ambas as pesquisas os eleitores disseram que ela se saiu melhor do que o esperado. BIDEN"Duas semanas atrás, John McCain disse às 9h que a economia era forte e tínhamos feito grandes progressos sob as políticas de Bush. Às 11h do mesmo dia, McCain disse que tínhamos uma crise econômica. Isso não faz de John McCain uma má pessoa, mas o ponto é que ele está fora da realidade""A política econômica dos últimos oito anos foi a pior que já tivemos"SARAH"Vão em um sábado a um jogo de futebol infantil e falem com qualquer pai que esteja em um canto do campo e aposto que vão perceber em sua voz que ele tem medo de perder seus investimentos na bolsa"''Respeito seus anos no Senado, Joe, mas acho que os americanos estão desejando algo novo e diferente"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.