Bignone é condenado a mais 15 anos de prisão

A Justiça argentina condenou ontem o último ditador do país, Reynaldo Bignone, a mais 15 anos de prisão por crimes contra a humanidade cometidos em um centro de detenção clandestino durante o regime militar. O ex-general, de 83 anos, já fora condenado a duas penas de prisão perpétua, que cumpre em seu domicílio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.