Bill Clinton pede mais investimentos privados no Haiti

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton disse hoje que o Fórum Econômico Mundial vai trabalhar para fornecer informações com o objetivo de ampliar o investimento do setor privado no Haiti. O país caribenho foi vítima, no dia 12, de um violento terremoto, que matou pelo menos 170 mil pessoas, segundo autoridades haitianas.

AE, Agencia Estado

28 de janeiro de 2010 | 11h27

Falando em Davos, durante o evento anual, Clinton relatou a líderes empresariais e políticos as últimas notícias sobre o Haiti. Enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o país caribenho desde 2009, Clinton lembrou que prosseguem os problemas sérios com a falta de comida, água e abrigos.

O ex-presidente disse que o aeroporto se tornou na prática o centro de operações do esforço humanitário. Ele relatou que pousam no aeroporto de Porto Príncipe cem aviões por dia, aproximadamente dez vezes mais que antes do terremoto. Clinton disse que é necessário garantir a segurança e melhorar as condições sanitárias, além de mais comida e água. "Nós temos que abrir escolas temporárias", lembrou.

Clinton afirmou ainda que outro problema é transportar os alimentos para os que precisam - e para isso são necessários caminhonetes ou picapes. Ele afirmou ter esperanças de que, assim que os sérios problemas com o terremoto sejam superados, o Haiti possa ter um futuro econômico melhor que o de antes do tremor. Clinton já trabalhava com outros líderes em planos para a economia haitiana, antes do dia 12.

Outros membros do painel do Fórum falaram sobre aspectos positivos de se investir no Haiti, como, por exemplo, a mão-de-obra mais barata em comparação com países desenvolvidos. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.