Bin Laden caminha tranqüilo pelo Afeganistão, diz jornalista

Osama bin Laden, sobre cuja cabeça vale uma recompensa de US$ 25 milhões, viaja pelo Afeganistão em um comboio de picapes sul-coreanas, carregadas com três esposas e quinze filhos - entre eles uma recém-nascida -, e não exatamente incógnito. A hipótese é levantada pelo jornalista paquistanês Hamid Mir, que entrevistou Bin Laden por três vezesDezenas de seguidores o escoltam a cada passo, o protegem e se colocam como escudo em uma caravana que não é, por certo, invisível, o que leva a pensar que os Estados Unidos não querem detê-lo até que estejam bem estabelecidos no Afeganistão."É claro que os americanos não querem detê-lo, para ganharem tempo de se estabelecerem bem no Afeganistão", disse Hamid Mir, que entrevistou Bin Laden da última há três semanas, quando o exilado saudita anunciou ao mundo que tem a bomba atômica e armas químicas.Mir, de 36 anos, que caiu várias vezes em desgraça em seu país, é diretor do jornal em urdu Ausaf, inaugurado em 1999 graças ao financiamento de um misterioso empresário paquistanês e que hoje circula com 90.000 exemplares e conta com uma equipe de 150 jornalistas.Seu contato com Bin Laden é relativamente recente e suficientemente íntimo como para ter detalhes que possam ser úteis à propaganda do homem mais temido do mundo atualmente.O bebê que acompanha Bin Laden pelo deserto nasceu em 13 de setembro, dois dias depois dos atentados terroristas que mataram cerca de 4.000 pessoas nos Estados Unidos. Ela se chama Safia, segundo disse Bin Laden a Mir, como a tia do profeta Maomé que matou centenas de judeus.Até hoje, ninguém viu as três mulheres de Bin Laden. Sabe-se que a primeira o deixou, ou melhor, pediu permissão para ser deixada, e vive na Arábia Saudita. Ela esteve ao lado do marido em todas as batalhas no Afeganistão. O filho mais velho de Bin Laden, Abdullah, de 22 anos, trabalha no negócio da família, a construção.Mir disse estar seguro de que os Estados Unidos sabem onde Bin Laden está se escondendo. "Tem muitos agentes infiltrados em suas fileiras", disse Mir, acrescentando que os norte-americanos o seguiram, no início do mês, e o abandonaram quando foi fazer a entrevista com Bin Laden.Para Mir, os norte-americanos também sabem onde está o líder supremo do Taleban, mulá Mohammed Omar, e neste caso também estão esperando para detê-lo.Bin Laden, segundo o jornalista, está feliz com o que obteve: "realizou seu sonho". "E ele e as centenas de novos Bin Laden exportarão esta guerra para a Europa e os Estados Unidos".Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.